A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Itália não cede "nem um milímetro" às pressões de Bruxelas

Itália não cede "nem um milímetro" às pressões de Bruxelas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Governo italiano diz que não vai ceder "um milímetro" por causa das pressões de Bruxelas e acusou os dirigentes da União Europeia de usarem os mercados financeiros para enfraquecerem o Executivo.

Roma afirmou que poderão exigir compensações financeiras.

"Alguém está à espera que o Governo italiano recue em relação a esta lei orçamental. Recuar desses 2,4% significaria dizer aos italianos:" não se podem reformar, não vamos subir as pensões, não vamos compensar aqueles que foram enganados pelos bancos e não estamos a estabelecer um rendimento básico.". Não, nós não vamos recuar nem um milímetro", assegura o vice-primeiro-ministro italiano Luigi Di Maio.

O Executivo italiano acusa Bruxelas de contribuir para a desvalorização das ações italianas e para o aumento dos juros da dívida pública no mercado secundário.

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, pediu a Roma que reconsidere a sua posição. "Como cidadão, como patriota, como presidente do Parlamento Europeu, envio um apelo ao Governo italiano para que modifique uma manobra que amedronta os mercados e que arrisca esfumar as economias do povo italiano".

A Comissão Europeia está preocupada que o orçamento proposto pelo Executivo italiano faça disparar a dívida pública de Itália, a segunda mais elevada da União, a seguir à Grécia.