Última hora
This content is not available in your region

Letónia elege Parlamento em cenário de crispação

Letónia elege Parlamento em cenário de crispação
Tamanho do texto Aa Aa

Num cenário político fraturado e de grande crispação, a Letónia elege, no próximo sábado, um novo parlamento.

Cerca de um milhão e quinhentos mil eleitores são chamados às urnas. 16 partidos vão a votos.

As sondagens dão a liderança ao partido social-democrata Harmonia, considerado pró-russo, de Vjaceslavs Dombrovkis.

Com 17% de intenções de voto o Harmonia arrisca-se a ficar de fora de uma coligação governamental apesar de, nos últimos, tempos, ter tentado ir ao encontro das expectativas de outros partidos. No entanto, o esforço parece ser inglório...

“O senhor recusou-se a admitir a ocupação, então nós admitimos a ocupação, depois mudaram para outra coisa. Ah, então o senhor tem um contrato com o Rússia Unida! Nós terminamos o acordo com o Rússia Unida, eles mudaram para algo, e agora, vocês são a mão do Kremlin. E assim por diante... É claro para qualquer um, qualquer pessoa pensante, que todas essas razões oficiais são apenas mentiras, grandes mentiras", acusa Dombrovkis.

O único partido que não rejeitou, à partida, uma coligação com o Harmonia é o populista e anti-sistema KPV que, segundo as sondagens, pode tornar-se na terceira força política no novo Parlamento.

A ministra das Finanças, Dana Ozola está confiante que o eleitorado vai escolher a estabilidade e continuidade do Governo, em detrimento do populismo: "Ainda espero, como disse, que as pessoas possam ler nas entrelinhas, vejam e entendam quem é quem. Não apenas ouvindo as suas promessas, mas também avaliando o trabalho que foi feito até agora e façam as escolhas certas para a estabilidade e sustentabilidade”.

Os analistas políticos preveem que o novo parlamento seja bastante fragmentado.

O professor Janis Ikstens, da Universidade da Letónia, acredita que "pode haver cinco, talvez até seis ou talvez até sete fações no parlamento e a maioria delas, diria que três ou quatro teriam força numérica aproximadamente igual, o que significa um processo de construção de coligações bastante imprevisível".

“Em poucos dias, os ocupantes destas cem cadeiras parlamentares serão bem diferentes. A maior novidade será a presença de populistas. O seu sucesso ou fracasso nas eleições pode trazer surpresas para muitos", relata o enviado da euronews a Riga, Janis Laizans.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.