Última hora

Última hora

Prémio Cidadão Europeu atribuido a António Pinto Monteiro e Fundação F. M. dos Santos

Em leitura:

Prémio Cidadão Europeu atribuido a António Pinto Monteiro e Fundação F. M. dos Santos

Prémio Cidadão Europeu atribuido a António Pinto Monteiro e Fundação F. M. dos Santos
Tamanho do texto Aa Aa

António Pinto Monteiro, professor da Universidade de Coimbra, e a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) foram galardoados com o prémio Cidadão Europeu 2018.

O Parlamento Europeu (PE) anunciou que António Pinto Monteiro destacou-se "pela sua dedicação a causas sociais, em particular no seu trabalho com crianças com deficiência, vítimas de maus-tratos ou em situação de pobreza." A FFMS foi reconhecida "pelo seu papel na promoção de estudos e disseminação de informação sobre temas europeus."

O prémio de Cidadão Europeu é atribuído a pessoas ou organizações que facilitem a cooperação transfronteiriça ou promovam a compreensão mútua na UE.

O italiano Antonio Calò também faz parte dos premiados pelo PE. A família Calò venceu o prémio pelo seu modelo de acolhimento de migrantes.

"A história ensina-nos que, hoje em dia, há pessoas que precisam de ajuda, mas amanhã podemos ser nos a precisar de ajuda e de ser acolhidos. Nunca devemos esquecer isso. Graças à Europa, podemos viver todos em paz, e essa paz tem por base um princípio fundamental que é a tolerância. Se a Europa perder isso, vamos perder a nossa identidade ... e é o fim," declarou Antonio Calò.

A família de Antonio Calò decidiu hospedar seis migrantes africanos e ajudá-los a começar de novo, fornecendo-lhes um lugar onde ficar e a formação necessária para se poderem integrar na sociedade.

"Nenhum líder político italiano se encontrou com Antonio Calò e família. No entanto, o Presidente de Itália, Sergio Mattarella, atribui-lhe uma Medalha de Honra. Graças ao prémio que lhe foi entregue em Bruxelas, Antonio Calò espera levar o seu modelo de acolhimento familiar para o resto da Europa. O seu objetivo é exportá-lo para, pelo menos, seis países," revelou a jornalista da euronews Giorgia Orlandi.