Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Os marcos incontornáveis de Pequim

Os marcos incontornáveis de Pequim
Tamanho do texto Aa Aa

Pequim é a cidade com mais sítios classificados como património mundial da humanidade pela Unesco. A praça Tianamen, o monumento aos heróis do povo, o Mausoléu de Mao Tsé-Tung, a Grande Muralha e o Museu Nacional são alguns dos marcos incontornáveis da capital chinesa. Um conjunto de monumentos que encerra uma simbologia política e uma estética singulares.

"A praça Tianamen é uma dos locais mais emblemáticos de Pequim e faz parte do chamado eixo central da capital. O centro histórico e as áreas adjacentes são um bom exemplo do planeamento urbano antigo e moderno e revelam a forma como os chineses usam a ciência, a estética e a filosofia antiga no desenho de uma capital", relatou a jornalista da euronews, Nikoletta Kritikou.

O eixo central da cidade é a coluna vertebral de Pequim. Os edifícios a leste e a oeste do eixo foram construídos de forma simétrica.

"O eixo central é um das áreas culturais mais importantes de Pequim. Começa em Yongdingmen, no sul e vai até à Torre do sino, no norte. Estamos na Torre do sino, o que perfaz uma linha de 7,8 quilómetros", afirmou Wang Gang, investigador do Departamento de História da Academia de Ciências Sociais de Pequim.

Em Pequim, o visitante tem a sensação de viajar no tempo, passando de um século ao outro ao virar da esquina. Nas últimas décadas, a cidade chinesa transformou-se num centro urbano global, gigante e dinâmico. O estádio Ninho de Pássaro construído para os Jogos Olímpicos de 2008 é um dos símbolos da modernidade de Pequim.

"Além do tamanho da obra, o elemento que nos impressiona é o design. Concebida como a peça central e icónica dos jogos olímpicos de Pequim, o estádio nacional Ninho de Pássaro é a expressão arquitetónica do orgulho e da crescente confiança chinesa. O estádio encontra-se a norte do eixo central e simboliza a nova e supermoderna cidade de Pequim", acrescentou a repórter da euronews.

O impacto dos Jogos Olímpicos

"Os Jogos Olímpicos de 2008 em Pequim expandiram a cultura e o espírito olímpicos, enriqueceram o significado dos jogos olímpicos e promoveram o desenvolvimento sustentável e saudável dos jogos. Por outro lado, maximizaram a função educativa dos jogos. Concretizámos os objetivos. O impacto foi enorme, insubstituível e positivo", declarou Xu Tao, porta-voz do Estádio Nacional de Pequim.

Desde a cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos, o estádio tornou-se numa atração turística. A capital chinesa prepara agora os Jogos Olímpicos de inverno de 2022, tornando-se na primeira cidade a organizar os jogos de verão e os de inverno.

Passagem incontornável para quem visita a China, a Grande Muralha, um dos monumentos mais fascinantes do mundo medieval e a segunda maior estrutura do mundo construída pelos humanos. A muralha é uma proeza do ponto de vista da engenharia e um testemunho do passado imperial da China.

"A Grande Muralha não é apenas uma construção complexa mas uma obra-prima da arte da pedra requintada da dinastia Ming. Quando estamos na grande muralha, qualquer que seja a estação do ano, vemos toda a extensão da montanha de Yanshan e florestas, o que nos lembra a glória da antiga China", contou a repórter da euronews.

Atualmente, devido ao elevado número de turistas, o desafio para as autoridades chineses é restaurar e proteger a muralha sem alterar a estética do monumento.

"Temos muitos visitantes todos os anos. E o revestimento da muralha estraga-se. Usamos métodos tradicionais para reparar a muralha e proteger as relíquias culturais. Temos normas específicas para reparar os tijolos e os ladrilhos. Por isso, usamos a técnica tradicional nas reparações", explicou Luo Xing, diretor da Grande Muralha da China.