Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Coveney: Irlanda "precisa de mecanismo de salvaguarda" no Brexit

Coveney: Irlanda "precisa de mecanismo de salvaguarda" no Brexit
Tamanho do texto Aa Aa

A questão da fronteira irlandesa é um dos principais obstáculos nas negociações do Brexit. Para o chefe da diplomacia irlandesa, Simon Coveney, não é equacionável una saída da União Europeia sem acordo.

Simon Coveney, ministro dos Negócios Estrangeiros da República da Irlanda: "As consequências de não obter um acordo são tão significativas e tão negativas, sobretudo para a Grã-Bretanha e para a Irlanda, que acredito que haverá um acordo. E tenho bastante confiança em Michel Barnier e na sua equipa para providenciar um acordo consistente com os compromissos já assumidos nas negociações, o que não é um pedido descabido."

"Pelo facto do Reino Unido estar determinado a sair da união aduaneira e do mercado único, porque diz que quer acordos comerciais bilaterais negociados com diferentes países em diferentes partes do mundo, devido a essa posição, temos de insistir num mecanismo de proteção para a ilha da Irlanda e as duas jurisdições aí presentes, garantindo que o que construímos nos últimos 20 ano, desde o acordo para o processo de paz, que prevê um comércio normal e sem atrito entre as comunidades, não é prejudicado como consequência indesejada do Brexit."

"A nossa conclusão é de que precisamos de ter um mecanismo de salvaguarda no tratado de retirada, que não pode ser limitado em termos de duração. Precisa de estar presente até que surja algo melhor. E a respeito de ser ou não abrangente a todo o Reino Unido, confio na equipa Barnier para fazer o máximo possível em termos técnicos para ajudar o Reino Unido. Mas Michel Barnier também precisa de proteger os interesses da União Europeia em termos do seu próprio mercado único e união aduaneira."