A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Eleições afegãs são este sábado mas não na província de Kandahar

Eleições afegãs são este sábado mas não na província de Kandahar
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A província de Kandahar, no Afeganistão, adiou, por uma semana, a abertura das urnas das eleições parlamentares. O processo eleitoral foi adiado como consequência do assassinato do General Abdul Razeq, comandante da polícia local e um dos mais altos chefes de segurança do Afeganistão.

"O povo de Kandahar não está moralmente pronto para votar"

Hafizullah Hashimi Porta-voz da Comissão Eleitoral Independente doAfeganistão

Abdul Razeq foi morto esta quinta-feira num ataque talibã. Um dos guarda-costas abriu fogo contra um grupo de oficiais onde Razeq estava, juntamente com o General Scott Miller, comandante dos EUA e da NATO no Afeganistão, o qual não ficou ferido.

Porquê adiar?

Razeq era uma das figuras políticas mais poderosas do Afeganistão, com uma autoridade incontestável no sul do país. A decisão de suspender a votação na província de Kandahar surge em sequência do choque da população após a morte do General.

O povo de Kandahar "moralmente não está pronto para votar", admitiu Hafizullah Hashimi, porta-voz da Comissão Eleitoral Independente.

Os Talibã emitiram um novo aviso, já depois do atentado. Disseram ao povo afegão para "ficar em casa" e para "fechar as portas" porque eles vão estar a "controlar de perto todos os desenvolvimentos".

Reuters
Funeral do General Abdul Razeq, em KandaharReuters

Segurança preocupa

O ato de violência faz duvidar de um futuro risonho no país, mas, para alguns analistas políticos, estas eleições funcionam como um passo para a mudança.

"A grande preocupação é a segurança, e as pessoas, ao votar, podem mudar a situação da segurança", admitiu Fariba Pajooh, analista político, em entrevista à Euronews.

"Os problemas económicos são muito importantes para o povo afegão, por isso, o povo pensa que ao enviar uma nova geração de candidatos para o parlamento isso possa melhorar a situação económica do país", concluíu.

Reuters
Polícia afegão em KabulReuters

Mudança que já acontece

O número de mulheres candidatas nestas eleições parlamentares é o maior de sempre na historia do país.

Apesar de aparecerem em poucos cartazes pelas ruas, são 417 as afegãs que dão a cara neste processo eleitoral.

À conta deste crescente número, crescem também as queixas de violência. Muitas das candidatas acreditam que correm risco de vida simplesmente por concorrerem às parlamentares.