EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Novo método ajuda pessoas paraplégicas a voltar a andar

Novo método ajuda pessoas paraplégicas a voltar a andar
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Num estudo denominado Stimo, especialistas suíços da Escola Politécnica Federal e do Hospital Universitário de Lausanne uniram a estimulação elétrica a técnicas de fisioterapia, para que os pacientes com lesões na coluna possam voltar a andar com o mínimo de assistência.

PUBLICIDADE

Existe um novo método que ajuda pessoas paraplégicas a voltar a andar. Num estudo denominado Stimo, especialistas suíços da Escola Politécnica Federal e do Hospital Universitário de Lausanne uniram a estimulação elétrica a técnicas de fisioterapia, para que os pacientes com lesões na coluna possam andar com o mínimo de assistência - com a ajuda de muletas ou de um andarilho.

A localização e o momento exato da estimulação elétrica são fundamentais para que os pacientes façam o movimento pretendido. É esta coincidência espaço-temporal que desencadeia o desenvolvimento de novas terminações nervosas.

O neurocirurgião Grégoire Courtine, da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, liderou o estudo clínico: "O fato dele tentar ativar os músculos e que a estimulação elétrica ative a mesma região da medula espinal... esta coincidência entre a entrada do cérebro e a estimulação faz com que os nervos ativem exatamente nessa localização."

Uma semana após o início do tratamento, os resultados começaram a ser visíveis e três pacientes recuperaram o controlo voluntário dos músculos das pernas.

Esta técnica inovadora foi testada em ratos, em 2014 e em macacos, em 2016. Chegou agora aos humanos e os resultados foram publicados nas revistas científicas Nature e Nature Neuroscience.

Apesar do sucesso, o líder do estudo mostra-se cauteloso e diz que ainda há muito para fazer. Para que a probabilidade de recuperação seja maior, o próximo passo para a equipa de cientistas é aplicar o método logo após uma lesão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Processo de António Costa desce do Supremo para o DCIAP

Homem que recebeu rim de um porco teve alta hospitalar

Canábis pode ajudar a travar cancro da pele