A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Merkel discursa em Estrasburgo esta terça-feira

Merkel discursa em Estrasburgo esta terça-feira
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Angela Merkel discursa no Parlamento Europeu em Estrasburgo esta terça-feira num debate sobre o futuro da Europa.

E talvez não haja cidade de França mais emblemática do que Estrasburgo para se perceber a ligação entre as duas potências europeias que impulsionaram a Europa nas últimas seis décadas. Na fronteira com a Alemanha, a cidade está sujeita a dupla influência, que se pode assistir na arquitetura e cultura.

Um elétrico liga Estrasburgo à cidade alemã de Kehl. A linha esteve encerrada desde 1944 e agora é o símbolo da cooperação franco-alemã. Mas o importante eixo para a Europa pode mudar. A retirada anunciada da chanceler alemã Angela Merkel da política poderia pôr fim às grandes decisões conjuntas, diz o professor Schirmann.

"É necessário pensar como esse casal, que continuará a ser incontornável se quisermos ver a Europa avançar, como vai colocar em torno da mesa outros países para ter uma relação mais inclusiva do que exclusiva", Sylvain Schirmann.

A decisão de Angela Merkel chega num momento em que a Europa enfrenta desafios internos e externos. Para a socialista Maria João Rodrigues, a chanceler deveria agora dar luz verde para uma reforma da zona do euro para melhorar a coesão interna.

"A chanceler Merkel precisa decidir se quer estar com aqueles que pretendem essa solução ou querem estar com os que estão contra", diz Maria João Rodrigues.

"Aqui no Parlamento Europeu em Estrasburgo, Angela Merkel deve dar a sua visão sobre o futuro da Europa. Muitos acreditam que a retirada da política alemã marca o início de uma nova fase para a política europeia, onde a tradicional coligação entre conservadores e os socialistas darão lugar a mudanças de alianças entre forças heterogéneas, com um forte bloco populista ", explica Elena Cevallone, jornalista da Euronews.