Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Projeto europeu na Serra Leoa testa vacina promissora contra o Ébola

Projeto europeu na Serra Leoa testa vacina promissora contra o Ébola
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Serra Leoa foi o epicentro da maior epidemia de Ébola. Em três países da África Ocidental, a Serra Leoa, a Guiné Conacri e a Libéria, pelo menos 11 mil pessoas morreram e mais de 28 mil foram diagnosticadas com a doença entre dezembro de 2013 e maio de 2016. Uma crise sanitária sem precedentes que originou um esforço de investigação que começa a dar os primeiros frutos.

A euronews entrevistou uma das sobreviventes da doença, em Kambia, na Serra Leoa. Emma Bangura tinha 23 anos quando contraiu o vírus Ébola, sofrendo sintomas como febre forte, diarreia e vómitos violentos.

"A minha amiga perdeu o pai, eu fui visitá-la, estive lá três dias. O pai morreu e foi enterrado, no período em que eu estava com eles. Depois comecei a ter febre. Senti-me desesperada. A doença estava a atacar-me. Senti medo porque as pessoas diziam que quem vai para o centro de tratamento nunca mais regressa. Decidi fechar-me no quarto", contou Emma Bangura.

Emma ficou em casa seis dias e depois foi tratada numa clínica. Venceu a batalha contra o Ébola mas a sobrevivência teve um preço. Foi obrigada a parar os estudos e agora está em casa sem perspetivas de encontrar um emprego.

A região de Kambia foi uma das mais afetadas pela epidemia. Aldeias inteiras foram isoladas. As famílias deixaram de conviver devido ao medo de serem contaminadas. A economia local desmoronou-se. Por todas essas razões, a região da Serra Leoa foi selecionada pelos cientistas de um projeto europeu para participar nos testes de uma vacina contra o Ébola.

Os ensaios clínicos, na Serra Leoa, envolvem mais de mil voluntários, incluindo crianças e jovens. A euronews assistiu a um dos ensaios com uma criança de dois anos.

"Se o meu filho levar a vacina, será que vai ficar protegido contra o Ébola? Os pais colocam-me essa questão. Nós explicamos que se trata de um ensaio e que ainda não sabemos se vai prevenir ou não o Ébola", contou a enfermeira Isha Kanawah.

Todos os voluntários são seguidos de perto pelas equipas médicas, antes e depois da injeção e são informados regularmente sobre a doença, os sintomas e as formas de prevenção.

"O Ébola é uma das várias febres hemorrágicas virais. É uma doença multissistémica, o que significa que pode afetar quase todos os órgãos do corpo, os olhos, os ouvidos, os vasos sanguíneos, a pele, incluindo o sistema reprodutivo", detalhou o médico Michael Morlai Kamara.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a taxa de mortalidade do Ébola varia entre 50 e 90%. Mas, agora, há esperança. Segundo os cientistas envolvidos no projeto europeu, dos ensaios clínicos da nova vacina são promissores.

"Constatámos que a vacina é segura. Os participantes estão a produzir anticorpos contra o vírus. É muito promissor", afirma a médica Agnes Bangura.

As amostras de sangue dos voluntários são analisadas nos novos laboratórios da região que foram construídos a partir do zero, no âmbito do projeto de investigação europeu. A região não está ligada à rede elétrica nacional. Foi preciso instalar geradores de eletricidade para alimentar os equipamentos sofisticados usados pelos investigadores.

"Estamos a estudar a vacina para saber se é seguro dá-la aos voluntários. Em segundo lugar, analisamos a eficácia da vacina, para saber se ela pode prevenir a doença. Em terceiro lugar, estudamos a imunogenética para saber se a vacina pode ajudar o sistema imunitário a combater os vírus, especialmente o Ébola", explicou Ken Awuondo, cientista especializado em medicina tropical.

O protocolo dos ensaios clínicos que estão em curso na Serra Leoa foi desenvolvido na Holanda. Os investigadores holandeses estão em contacto com as equipas no terreno.

O protocolo requer a administração de duas vacinas diferentes, uma estratégia que visa reforçar a imunidade dos pacientes face a um vírus extremamente perigoso.

"Quando a pessoa é infetada, o vírus reproduz-se rapidamente. Os pacientes ficam com milhões e milhões de vírus no sangue, o que provoca uma mortalidade elevada. Isso implica também que a proteção imunitária da vacina tem de ser extremamente forte para combater essa quantidade de vírus. O Ébola não desapareceu, não vai desaparecer e vai continuar a atacar", declarou Johan Van Hoof, diretor da Janssen Vaccines & Prevention BV, uma das instituições envolvidas no projeto.

Em paralelo à investigação, o envolvimento das comunidades locais é um elemento chave para o sucesso dos ensaios clínicos.

"Temos dados promissores nos nossos ensaios clínicos. A vacina induz uma resposta imunitária forte e duradoura. Estamos muito felizes por constatá-lo. Com este dados, vamos iniciar o processo de autorização de comercialização. É um dos nossos objetivos", acrescentou kerstin Luhn, uma das especialistas da Janssen Vaccines.

Comissão Europeia e Farmacêuticas investem 3,2 mil milhões de euros

O projeto de investigação em torno do vírus Ébola faz parte de uma iniciativa intitulada Medicinas Inovadoras, a maior parceria público-privado na área da saúde a nível mundial. Com um orçamento de 3,2 mil milhões de euros, a iniciativa é financiada pela Comissão Europeia e pela indústria farmacêutica.

O objetivo é partilhar conhecimento sobre o desenvolvimento da próxima geração de vacinas, medicamentos e tratamentos contra várias doenças, incluindo o vírus Ébola.

O mundo ficou muito preocupado quando ocorreu o surto de Ébola. Ninguém conseguia prever o que iria acontecer. Fomos capazes de mobilizar a indústria e o setor público. Construímos rapidamente o programa Ébola que inclui não apenas vacinas mas também diagnósticos, entre outras coisas", explicou Pierre Meulien, diretor executivo da Iniciativa Medicinas Inovadoras.

A professora Kadiatu L. Bangura sobreviveu ao vírus, no início da epidemia. Durante as aulas, faz questão de partilhar com os alunos tudo o que sabe sobre a doença.

"Conheço os sinais e sei que há comportamentos a evitar. Não se deve brincar com pessoas doentes nem comer carne. Não se deve partilhar objetos com uma pessoa doente ou usar o mesmo copo, por exemplo. Agora sei todas essas coisas", resumiu a sobrevivente.