Última hora

Última hora

Paris depois da passagem dos "coletes amarelos"

Paris depois da passagem dos "coletes amarelos"
Tamanho do texto Aa Aa

Do luxo ao lixo. Na famosa avenida dos Campos Elísios, em Paris, deitaram-se mãos à obra para limpar as amargas lembranças de uma jornada intensa de protestos.

A segunda grande manifestação impulsionada pelo movimento dos "coletes amarelos", este sábado, degenerou em violência. Há avultados danos materiais, muitas lojas queimadas e com vidros partidos.

O presidente Francês criticou os episódios de violência que se saldaram em mais de uma centena de pessoas detidas e em dezenas de feridos.

Se até aqui o movimento denunciava a subida de impostos sobre os combustíveis, no sábado ouviram-se pedidos de demissão de Emmanuel Macron.

O ministro francês da Economia, Bruno Le Maire, considerou "inaceitáveis" os episódios de violência e deixou alertas, em entrevista à BFM TV: "Penso que é tempo de ouvir com atenção, respeito e consideração todos os franceses que não foram escutados ao longo dos anos."

De acordo com números oficiais, este sábado manifestaram-se 106 mil "coletes amarelos" em todo o país. Em Paris foram oito mil.

Os responsáveis do movimento anunciaram uma terceira jornada de mobilização e de bloqueio das estradas prevista para o 1.º de dezembro.