EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A importância geopolítica do estreito de Querche

A importância geopolítica do estreito de Querche
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As tensões entre a Ucrânia e a Rússia reavivaram-se na região e alarmam a comunidade internacional.

PUBLICIDADE

Com escassos quilómetros de largura, o estreito de Kerch é uma pequena passagem marítima com um grande significado global.

Há muito que estas águas são fonte de tensão entre a Ucrânia e a Rússia, mais ainda desde a anexação da Crimeia em 2014.

O estreito é a porta marítima da Rússia para o Mar Negro, a partir do Mar de Azov.

A construção da parte rodoviária da ponte através do estreito de Kerch foi um elemento-chave na consolidação do poder de Moscovo na região.

O presidente russo, Vladimir Putin, justificou-se dizendo que integraria a península nas infraestruturas russas de transportes. Na prática, o Kremlin pode monitorizar as embarcações que atravessam o estreito, controlando todas as rotas marítimas dentro e fora do Mar de Azov.

A decisão de reforçar o controlo impulsionou o cenário de confronto atual.

Moscovo alega que as embarcações ucranianas entraram ilegalmente em águas territoriais russas. A Ucrânia insiste que não fez nada de errado.

As duas partes têm "hubs" navais e comerciais estratégicos no Mar de Azov: Rostov, do lado russo, e Mariupol, do lado ucraniano.

Todo o comércio marítimo destes portos passa pelo estreito de Kerch. Com o domínio russo na região, a Ucrânia diz que Mariupol se encontra bloqueada.

O caso dos marinheiros detidos e dos navios ucranianos apreendidos junto à Crimeia só veio agudizar ainda mais o conflito latente entre os dois países.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

incêndio mortal no estreito de Querche

Forças russas resgatam funcionários de um centro de detenção e matam os sequestradores

Suécia diz que avião de guerra russo violou o seu espaço aéreo