Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

NATO: Chefes da diplomacia discutem crise no Mar de Azov

NATO: Chefes da diplomacia discutem crise no Mar de Azov
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, pediu à Rússia que liberte os navios e os marinheiros da Ucrânia detidos no incidente de 25 de novembro, no Mar de Azov, e promete estar à altura das ameaças na região.

A NATO poderá, por exemplo, aumentar a presença militar no porto de Constanta, na Roménia

Michael Carpenter Analista político, Atlantic Council

Por ocasião da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO, terça-feira, em Bruxelas, Jens Stoltenberg disse à euronews: "Por causa das ações agressivas da Rússia contra a Ucrânia - anexando ilegalmente a Crimeia, desestabilizando o leste da Ucrânia e agora com uma nova ação no mar de Azov -, a NATO implementou aquele que é o maior reforço da defesa coletiva desde o fim da Guerra Fria".

A reunião termina quarta-feira e as medidas a anunciar deverão ficar aquém dos apelos do presidente ucraniano, Petro Poroshenko, para que a NATO envie navios para o Mar de Azov.

O analista político Michael Carpenter, do centro de estudos Atlantic Council, disse à euronews que há outras alternativas com menor grau de confrontação: "A Roménia, a Turquia e a Bulgária são todas nações da NATO com litoral no Mar Negro. A NATO poderá, por exemplo, aumentar a presença militar no porto de Constanta, na Roménia".

"Na minha opinião seria muito útil ao nível de defesa e seria uma medida de dissuasão por parte da NATO. A Rússia seria, assim, alvo de uma clara consequência da sua ação agressiva na Crimeia e no Mar de Azov", explicou.

A NATO está também a ajudar a Ucrânia a reforçar a sua capacidade militar. Mas o regime de Moscovo não vai perder tempo para evitar que a NATO reforce a presença na região.

"A Rússia já está a reagir a uma potencial ação da NATO, segundo um membro do Conselho da Federação, Alexey Pushkov. No Twitter escreveu: "O pedido do senador norte-americano John Barrasso para que sejam enviados navios para o Mar Negro é uma receita para uma escalada do conflito". Além disso, o sítio de notícias russo Fontanka.ru refere que a frota russa no Mar Negro já está a prepara novos exercícios na zona do Mar de Azov", realça Andrei Beketov, correspondente da euronews em Bruxelas.