Última hora

Última hora

NATO: Chefes da diplomacia discutem crise no Mar de Azov

Em leitura:

NATO: Chefes da diplomacia discutem crise no Mar de Azov

NATO: Chefes da diplomacia discutem crise no Mar de Azov
Tamanho do texto Aa Aa

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, pediu à Rússia que liberte os navios e os marinheiros da Ucrânia detidos no incidente de 25 de novembro, no Mar de Azov, e promete estar à altura das ameaças na região.

A NATO poderá, por exemplo, aumentar a presença militar no porto de Constanta, na Roménia

Michael Carpenter Analista político, Atlantic Council

Por ocasião da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO, terça-feira, em Bruxelas, Jens Stoltenberg disse à euronews: "Por causa das ações agressivas da Rússia contra a Ucrânia - anexando ilegalmente a Crimeia, desestabilizando o leste da Ucrânia e agora com uma nova ação no mar de Azov -, a NATO implementou aquele que é o maior reforço da defesa coletiva desde o fim da Guerra Fria".

A reunião termina quarta-feira e as medidas a anunciar deverão ficar aquém dos apelos do presidente ucraniano, Petro Poroshenko, para que a NATO envie navios para o Mar de Azov.

O analista político Michael Carpenter, do centro de estudos Atlantic Council, disse à euronews que há outras alternativas com menor grau de confrontação: "A Roménia, a Turquia e a Bulgária são todas nações da NATO com litoral no Mar Negro. A NATO poderá, por exemplo, aumentar a presença militar no porto de Constanta, na Roménia".

"Na minha opinião seria muito útil ao nível de defesa e seria uma medida de dissuasão por parte da NATO. A Rússia seria, assim, alvo de uma clara consequência da sua ação agressiva na Crimeia e no Mar de Azov", explicou.

A NATO está também a ajudar a Ucrânia a reforçar a sua capacidade militar. Mas o regime de Moscovo não vai perder tempo para evitar que a NATO reforce a presença na região.

"A Rússia já está a reagir a uma potencial ação da NATO, segundo um membro do Conselho da Federação, Alexey Pushkov. No Twitter escreveu: "O pedido do senador norte-americano John Barrasso para que sejam enviados navios para o Mar Negro é uma receita para uma escalada do conflito". Além disso, o sítio de notícias russo Fontanka.ru refere que a frota russa no Mar Negro já está a prepara novos exercícios na zona do Mar de Azov", realça Andrei Beketov, correspondente da euronews em Bruxelas.