Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Crise no Mar de Azov afeta economia europeia

Crise no Mar de Azov afeta economia europeia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia está "extremamente preocupada" com as crescentes tensões entre a Rússia e a Ucrânia no Mar de Azov, segundo a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini.

As atividades no Mar de Azov atrasam muitíssimo o movimento dos navios que ostentam bandeiras dos países membros da União Europeia

Federica Mogherini Chefe da diplomacia, União Europeia

Não só porque é um novo desafio para a integridade territorial e a soberania da Ucrânia, mas também porque desacelera a atividade da marinha mercante.

"As atividades no Mar de Azov atrasam muitíssimo o movimento dos navios que ostentam bandeiras dos países membros da União Europeia, de modo que estamos já a sofrer impacto nas nossas próprias economias", disse Mogherini à entrada para o segundo dia da reunião da NATO, em Bruxelas, ao nível dos ministros dos Negócios Estrangeiros.

A Ucrânia pede à União Europeia que reforce as sanções económicas contra a Rússia, nomeadamente para atingir as companhias de navegação e os portos russos.

Do ponto de vista militar, a Ucrânia tem instado a NATO a enviar mais navios de guerra para o Mar Negro.

"Eu gostaria de ver os países europeus e os restantes membros da NATO a serem mais ágeis e a estarem mais disponíveis para reagir rapidamente. No entanto, compreendemos que decisão envolve muitas pessoas e leva tempo", disse, à euronews, Ivanna Klympush-Tsintsadze, vice-primeira-ministra para a Integração Europeia da Ucrânia, de visita ao Parlamento Europeu, em Bruxelas.

"Está em causa não apenas uma ameaça para a Ucrânia, mas também para a segurança europeia. Infelizmente, alguns políticos europeus preferem fechar os olhos a este problema", concluiu.

REUTERS/Gleb Garanich

O presidente russo, Vladimir Putin, tem acusado o homólogo ucraniano, Petro Poroshenko, de alimentar esta crise para obter vantagens políticas na campanha eleitoral que se avizinha.

"Poroshenko é muito bom a criar situações de crise e provocação. De imediato, coloca as culpas na Rússia por aquilo que ele próprio fez. No final, diz que resolveu eficientemente problemas dos quais não era responsável", disse Putin, esta quarta-feira.

A União Europeia disse que está a ponderar “medidas apropriadas e direcionadas” para lidar com a situação e o tema será abordado pelos chefes da diplomacia, no Conselho Europeu de 10 de dezembro.