Rússia acusa formalmente marinheiros ucranianos

Rússia acusa formalmente marinheiros ucranianos
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Há pouco mais de uma semana a Rússia intercetava três embarcações da Marinha Ucraniana. Agora, acusou formalmente os 24 ocupantes, reforçando as tensões entre Kiev e Moscovo

PUBLICIDADE

Novo episódio na escalada de tensões entre a Ucrânia e a Rússia. Segundo a Radio Free Europe e a agência russa Tass, que citam um advogado de um dos acusados, a totalidade dos 24 membros da marinha ucraniana que foram interceptados a 25 de novembro por forças especiais russas no estreito de Querche, foram formalmente acusados de "atravessar ilegalmente a fronteira".

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, afirmou que "a Rússia deve libertar os marinheiros e embarcações ucranianas e deve permitir a liberdade de navegação, bem como um acesso sem obstáculos aos portos ucranianos no mar de Azov. Os navios ucranianos, sejam militares ou civis, têm o direito de navegar no estreito de Querche e no mar de Azov".

Segundo o presidente ucraniano Petro Poroshenko o Kremlin, que anunciou a instalação de novas baterias de mísseis antiaéreos, pretende criar um corredor entre a Rússia e a Crimeia, anexada em 2014.

Numa intervenção na rádio, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que "é uma declaração completamente absurda e uma nova tentativa para gerar tensões que, infelizmente, se deverá renovar com a aproximação das eleições presidenciais na Ucrânia". Peskov acrescentou que a "Rússia nunca invadiu nada, nem criou corredores em lado nenhum".

Dois portos ucranianos no mar de Azov, Berdiansk e Marioupol, estão de facto bloqueados pela Rússia: nem os navios que aí se encontram podem sair da área, nem outros podem aceder aos portos em questão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chefes da diplomacia da UE sem acordo para sancionar Rússia

Ucrânia testa novos mísseis com sucesso

Crise no Mar de Azov afeta economia europeia