Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Rússia acusa Ucrânia de ter motivações políticas

Rússia acusa Ucrânia de ter motivações políticas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Para o presidente Poroshenko tratou-se de um ato de agressão russa... para o presidente Putin nada mais do que uma pequena escaramuça em alto mar.

"É claro que é tudo por causa das eleições, é óbvio"

Vladimir Putin Presidente, Rússia

Num encontro com a imprensa, o presidente russo insistiu em como as embarcações ucranianas foram detidas legalmente em águas russas no mar de Azov.

Vladimir Putin sugeriu que a resposta de Poroshenko tinha motivações políticas devido à proximidade de eleições no país.

Putin acrescentou que nem mesmo durante o conflito na Crimeia e no leste do país, a Ucrânia havia declarado a lei marcial.

"O que é que aconteceu em 2014 quando a Crimeia decidiu unir-se à Rússia? E a guerra civil no sudeste da Ucrânia, nas regiões de Donbas e Luhansk, com as forças governamentais a utilizarem tanques, artilharia pesada e mesmo ofensivas aéreas?
De facto, trata-se de uma guerra mas não foi decretada lei marcial. E agora, um incidente menor no Mar Negro e impõem a lei marcial no país. É claro que é tudo por causa das eleições, é óbvio", disse Putin perante a audiência.

Com a entrada em efeito da lei marcial, tudo sugere que a Ucrânia se prepara para a guerra.

Numa entrevista exclusiva ao canal norte-americano NBC, o presidente ucraniano Petro Poroshenko afirmou que se trata de uma medida radical em resposta a uma emergência nacional.

"Eles querem controlar o Mar de Azov apesar da lei internacional, apesar do acordo bilateral entre a Ucrânia e a Rússia em vigor desde 2003. Este é o objetivo real da Rússia: a ocupação do mar. É o início da agressão, isto não é um ataque de duas embarcações militares e de um rebocador, isto é uma agressão no Mar de Azov", disse o presidente ucraniano.

A imposição da lei marcial na Ucrânia pode terminar dentro de 30 dias, muito antes das eleições presidenciais previstas para 31 de março. Será apenas então que se tornará claro o impacto deste incidente no futuro político do presidente ucraniano.