Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Clima: Arca de Noé em Roterdão é "solução"?

Clima: Arca de Noé em Roterdão é "solução"?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No momento em que a comunidade internacional discute a luta contra as alterações climáticas, precisará o mundo de uma arca de Noé para salvar a Humanidade das catástrofes naturais?

É possível que áreas como a Antártida se tornem instáveis ​​e se desloquem mais rapidamente para o mar

Jaap Kwadijk Especialista em Hidrologia, Deltares

A história da Bíblia não é só uma metáfora para um carpinteiro holandês que seguiu as instruções do Antigo Testamento e criou a sua versão do barco salva-vidas para perpetuar as espécies do planeta.

Johan Huiber acredita no aquecimento global, mas como desígnio divino e não obra dos homens, que nada podem fazer para o controlar.

"Tudo começou depois de Noé, há quatro mil anos e o mundo continuará a aquecer cada vez mais. O mesmo vai acontecer com os oceanos, que vão subir. É o aquecimento global. Não sei o que vai acontecer nos próximos anos, mas haverá mais inundações, seguramente", disse Huiber à enviada da euronews, Elena Cavallone.

REUTERS/Jonathan Bachman/File Photo

Com 122 metros de comprimento e 23 metros de altura, a arca pode acolher quatro mil pessoas e 15 mil espécies de animais. Apesar de ter sido concebido como instrumento de pregação, o navio tornou-se uma atração turística.

"Construir uma arca para sobreviver a uma grande inundação pode parecer estranho. No entanto, o risco de cada vez maiores inundações é bem realista. O aquecimento global já está a alterar o clima e a situação pode piorar", acrescenta Elena Cavallone.

O aumento da temperatura a nível global tem levado ao degelo de zonas polares do globo e ao consequente aumento do nível do mar.

Há também períodos de chuva mais intensos e devastadores na Europa Ocidental e Central.

O agravamento destas tendências dependerá do aumento da temperatura global nas próximas décadas.

"Pensamos que nos poderemos adaptar se subir 1,5 a dois graus celsius, mas para além dos dois graus não sabemos se seremos capazes de o fazer. É possível que áreas como a Antártida se tornem instáveis ​​e se desloquem mais rapidamente para o mar, causando uma incrível elevação do nível do mar", alertou Jaap Kwadijk, especialista em hidrologia e gestão de inundações da Deltare.