Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Emmanuel Macron vai enfrentar moção de censura

Emmanuel Macron vai enfrentar moção de censura
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Governo de Emmanuel Macron vai enfrentar uma moção de censura que será apresentada pela esquerda francesa.

Os deputados do Partido Socialista, do França Insubmissa e do Partido Comunista anunciaram que vão apresentar em plenário, na segunda-feira, uma moção de censura ao Governo criticando a forma como Macron tem gerido a crise desencadeada pelos "coletes amarelos".

O anúncio ocorreu depois de o presidente ter cancelado o aumento da taxa sobre combustíveis e do primeiro-ministro, Édouard Philippe, ter afirmado que "nenhum imposto merece colocar em risco uma nação".

A moção de censura deverá ser rejeitada pois o partido do Governo, o "República em Marcha", detém a maioria no Parlamento.

As autoridades francesas vão mobilizar meios excecionais, além de 65 mil polícias, para todo o país, para evitar o escalar da violência como aquela que ocorreu no último fim de semana.

Estão agendados, para sábado, mais protestos dos "coletes amarelos". A Torre Eiffel vai estar encerrada.

"Foram tomadas novas medidas de segurança para prevenir a violência que se espera que ocorra no próximo sábado. As barreiras de controlo que bloquearam os polícias, no último fim de semana, serão retiradas. As forças de segurança serão autorizadas a enfrentar diretamente os manifestantes, caso seja necessário. O número de policias será aumentado, sabendo que as forças de segurança já estão com bastante trabalho. Foram cancelados alguns eventos como, por exemplo, viagens de ministros ou o jogo de futebol entre Paris Saint-Germain e o Montpellier.

A intervenção do exército também está a ser considerada pelas autoridades, para proteger os principais locais de Paris.

O que não sabemos é se essas medidas vão dissuadir os manifestantes, e evitar o pior, ou, pelo contrário, enraivecê-los", relata a jornalista da euronews Valerie Gauriat.