Última hora

Última hora

Merkel deverá preparar sucessora para papel na UE

Merkel deverá preparar sucessora para papel na UE
@ Copyright :
REUTERS/Fabian Bimmer
Tamanho do texto Aa Aa

Annegret Kramp-Karrenbauer sucede a Angela Merkel como presidente dos democratas-cristãos (CDU) na Alemanha e é provável que venha mais a Bruxelas quando faltam seis meses para as eleições europeias.

A Alemanha demonstra estabilidade política, continuidade e liderança

Mario Telo Cientista político, Universidade Livre de Bruxelas

Mas Merkel ainda tem três anos de mandato como chanceler e continuará a ser uma voz decisiva, tanto em casa como em Bruxelas, sobre políticas fundamentais tais como a moeda única, a migração e o papel da União Europeia no mundo.

"Vivemos numa Europa que está profundamente perturbada: Paris está "em chamas", Londres - segundo os observadores - arrisca-se a assistir ao "suicídio" do Partido Conservador por causa do Brexit. E Roma - também de acordo com os analistas - é governada por irresponsáveis e incompetentes. Neste contexto, a Alemanha demonstra estabilidade política, continuidade e liderança", disse, à euronews, Mario Telo, cientista político na Universidade Livre de Bruxelas.

A eleição foi feita num clima de alguma agitação interna no partido, mas nada que entusiasmasse os próprios alemães, que esperavam esta transição suave.

Merkel deverá preparar Kramp-Karrenbauer para manter os conservadores no poder no país, em 2021.

Tal poderá implicar, também, estar à altura dos desafios do chamado eixo franco-alemão, principal motor da integração europeia.

"São boas notícias para a Europa, porque podemos ter certeza de que as duas mulheres trabalharão juntas. É claro que Annegret Kramp-Karrenbauer terá de pôr em primeiro lugar as necessidades do partido e os assuntos nacionais. Mas tal está, intimamente, ligado às eleições europeias do próximo ano. Penso que ela será mais assídua no cenário europeu, nos próximos meses”, explicou Corina Horst, analista do centro de estudos The German Marshall Fundo of the US.

Apelidada, por vezes, de mini-Merkel, a nova líder da CDU tem grandes desafios pela frente.