Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Oposição unida em protestos contra "lei da escravatura"

Oposição unida em protestos contra "lei da escravatura"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Foi em frente à sede da televisão pública húngara, em Budapeste, e com alguns momentos de tensão com as forças de segurança, que culminou a quarta noite de protestos contra a apelidada "lei da escravatura".

Já durante o dia, cerca de 15 mil pessoas tinham respondido ao apelo da oposição e sindicatos, desfilando até ao Parlamento para voltar a contestar a nova legislação do trabalho, aprovada na passada quarta-feira.

Um manifestante diz que o protesto é uma "crítica aos últimos oito anos" de governo e acrescenta que espera "livrar-se do executivo [do primeiro-ministro Viktor Orbán] por meios democráticos".

Todas as formações da oposição compareceram em frente ao Parlamento húngaro, prometendo uma frente unida contra o executivo.

A deputada independente Bernardett Szél afirmava que os que estão no poder "podem fazer tudo, enquanto [o povo] se deve calar e trabalhar até sangrar do nariz".

Foi a primeira vez que a totalidade da oposição desfilou unida desde a chegada de Orbán ao poder em 2010.

Tamás Székely, presidente do sindicato de trabalhadores da indústria química, disse que irão "fazer greve juntamente com professores, comerciantes e todos os que forem forçados a trabalhar mais ou substituir outros sem ser pagos".

O aspeto mais criticado da nova lei do trabalho é a disposição que aumenta para 400 horas por ano - o equivalente a dois meses inteiros de trabalho - o número de horas extra que um empregador pode exigir a um assalariado, tendo depois até três anos para as pagar.

Os manifestantes apelaram também à independência e objetividade dos meios de comunicação públicos face aos protestos.