Última hora
This content is not available in your region

República Democrática do Congo expulsa representante da União Europeia

Access to the comments Comentários
De  Pedro Sacadura com Reuters, AFP
euronews_icons_loading
República Democrática do Congo expulsa representante da União Europeia
Tamanho do texto Aa Aa

A renovação de sanções da União Europeia (UE) contra figuras congolesas de proa precipitou a decisão.

A República Democrática do Congo anunciou que vai expulsar o representante da missão diplomática da UE no país, num gesto visto como forma de retaliação.

De acordo com o ministro congolês dos Negócios Estrangeiros, Bart Ouvry dispõe de 48 horas para abandonar o território.

A decisão tornou-se conhecida a poucos dias das eleições presidenciais de domingo.

O escrutínio já foi adiado várias vezes desde que expirou o mandato do presidente Joseph Kabila, em dezembro de 2016. E a votação de domingo promete ser tudo menos pacífica. Um surto de ébola foi invocado para cancelar e adiar para março a votação nas cidades de Beni e Butembo. Para a cidade de Yumbi a justificação foi a da violência étnica. A três cidades são conhecidas como bastiões anti-governo.

De acordo com a Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) as alterações não afetarão o calendário eleitoral. Os resultados finais das eleições deverão ser conhecidos a 15 de janeiro e o novo chefe de Estado tomará posse três dias mais tarde.

Os protestos já se fazem notar e uma parte da oposição apelou à greve geral esta sexta-feira.

Emmanuel Ramazani Shadary foi designado pelo Presidente como candidato do partido no governo. É um dos visados pelas sanções da UE.