Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Portugal e Grécia com menores taxas de inflação da zona euro

Portugal e Grécia com menores taxas de inflação da zona euro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em dezembro de 2018, a taxa de inflação anual na zona euro foi de 1,6%, menos 0,3% do que em novembro. A taxa de inflação na União Europeia - que inclui a zona euro mais os Estados membros que não aderiam à moeda única - foi de 1,7%. No mês anterior, a taxa de inflação chegou aos 2,0%.

Os dados foram divulgados pela agência de estatística da União Europeia, a Eurostat.

No ano anterior, a taxa de inflação anual na zona euro era de 1,7% - em dezembro.

A taxas de inflação anuais mais baixas foram registadas nas economias grega e portuguesa, ambas com 0,6%, assim como por Espanha e Itália, com 1,2%.

Por outro lado, entre os Estados que adotaram a moeda comum, as taxas mais elevadas fora registadas na Estónia, com 3,3%, e na Hungria, com 2,8%.

Quando comparada com novembro de 2018, a taxa de inflação desceu em 22 Estados membros, subiu em três e permaneceu estável em dois.

Para os atuais níveis de inflação em muito contribuíram os setores dos serviços, seguidos da energia e agroalimentar.

Espera-se uma nova previsão da parte do Eurostat relativamente a janeiro de 2019 a ser transmitida a um de fevereiro.

Guerras comerciais

A desaceleração do crescimento da zona euro, relacionada com a menor atividade económica na China, assim como com as tensões comerciais entre Pequim e Washington contribuiu para uma descida das taxas de juro da parte do Banco Central Europeu.

Com a redução da inflação no mercado único, os investidores não esperam um aumento das taxas de inflação até 2020.

Mario Draghi, o presidente do banco central Europeu, disse que, por agora, a economia europeia não se encontra face a uma possível recessão, mas continua a precisar do apoio do Banco Central Europeu, já que a redução do crescimento pode ser superior à prevista.