Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

O relógio humano de Lausanne

O relógio humano de Lausanne
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No silêncio de uma qualquer noite escura em Lausanne, na Suíça, um vulto espreita. Marco Carrara é uma espécie de relógio em carne e osso. O homem que grita às horas aos sete ventos, seis séculos depois de alguém o ter feito pela primeira vez. Uma tradição criada no período Medieval, em que os incêndios eram frequentes por aquelas bandas e deixavam um rasto enorme de destruição. Hoje é apenas uma forma de manter viva a memória enquanto se regista o passar do tempo.

"Podemos ter noites bastante calmas e bastante solitárias, diria, e depois, por outro lado, noites em que o povo de Lausanne, as pessoas da área, às vezes turistas, têm a oportunidade de visitar o local", adianta este guarda feito relógio, sempre pontual.

Lausanne não é a única cidade onde esta tradição ainda resiste, há outras cinco, espalhadas pela Europa, onde ouvir o passar das horas tem um outro encanto.