Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Uber, a "dor de cabeça" dos taxistas

Uber, a "dor de cabeça" dos taxistas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Uber opera em centenas de cidades no mundo mas desde que chegou à Europa, em 2011, a plataforma eletrónica de reserva de veículos com condutor tem gerado tanta polémica como a velocidade de crescimento. Mais entre os taxistas que invocam sucessivas vezes o argumento da concorrência desleal.

O Tribunal Justiça da União Europeia (TJUE) considerou a Uber uma empresa de transportes referindo que ao conectar motoristas e passageiros presta uma atividade que deve ser regulada e que não se trata de uma mera plataforma digital. Ainda de acordo com o tribunal "os Estados-membros podem regular as condições para o fornecimento do serviço."

A Uber cessou as operações em países como a Dinamarca, Bulgária ou Hungria e o modelo de negócio obrigou à tomada de medidas concretas na legislação de vários Estados-membros o que representou em alguns casos um revés para empresa.

Em Itália, por exemplo, a UberTAXI está ativa em Turim. Em Roma e Milão estão disponíveis a UberBLACK, UberLUX e UberVAN.

Em França a relação entre os condutores e a Uber foi tensa desde o início. A justiça considerou tratar-se de uma "relação laboral" e que deveria regular-se com um "contrato de trabalho."

O mesmo problema surgiu na Bélgica.

Em Portugal, entrou em vigor a 01 de novembro a lei que regulamenta as plataformas eletrónicas de transporte. O resultado de meses intensos de contestação dos profissionais do setor dos táxis e de debate público e parlamentar.