Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Extreme E: Todo-o-terreno em defesa do ambiente

Extreme E: Todo-o-terreno em defesa do ambiente
Tamanho do texto Aa Aa

Fixe este nome: Extreme E. É uma corrida fora do comum pelos locais mais remotos e simultaneamente mais ameaçados pela acção do homem e pelas alterações climáticas.

A prova deverá arrancar em 2021, mas enfrenta já algumas resistências. Os danos que a passagem da caravana vai provocar e o facto da garagem e oficina de apoio funcionarem no antigo navio-correio da Coroa britânica, em reconversão.

Alejandro Agag, fundador da Formula E e um um dos organizadores desta corrida tem resposta para os críticos: "Temos passado muito bem ignorando os cínicos e temos intenções de continuar. Nós gostamos de fazer coisas e há que ver a perspectiva geral. Se queres fazer uma omolete, tens de partir alguns ovos. Temos um navio com combustível, sim, mas vamos fazer uma grande contribuição chamando a atenção," afirma.

O navio de Santa Helena está a ser reconvertido para não só servir de paddock flutuante, mas ter também capacidade de observação e análise científica.

A organização chama-lhe o Calypso do século XXI, numa alusão ao navio do oceanógrafo francês, Jacques Cousteau.

Sem público nos locais da prova, a corrida vai dar origem a uma série documental.

O primeiro protótipo dos carros participantes deve estar pronto em Abril e a produção está prevista para junho. São veículos com baterias de 400 Kw assinadas pela Maclaren e que serão personalizados por cada construtor em prova.