Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Corrida às armas de EUA e Rússia pode dividir europeus?

Corrida às armas de EUA e Rússia pode dividir europeus?
Direitos de autor
REUTERS/Nicole Neri
Tamanho do texto Aa Aa

Quais são as opções para a Europa agora que a Rússia suspendeu a aplicação do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio, que data da Guerra Fria?

O Presidente russo, Vladimir Putin, respondeu na mesma moeda à decisão do Presidente dos EUA, Donald Trump, que acusou a Rússia de desenvolver um míssil de alcance proibido por esse tratado.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que "a NATO não tem planos para implementar novos sistemas de mísseis nucleares terrestres na Europa. Temos muitas outras opções que estamos a considerar".

A euronews falou com o analista Bruno Lete, do centro de estudos The German Marshall Fund od the US, em Bruxelas, que sugere três cenários possíveis: "Um dos cenários é a Europa permitir que mísseis de cruzeiro dos EUA sejam redistribuídos no continente europeu, mas é algo que pode levar, obviamente, a um maior risco de corrida às armas".

"Noutro cenário, os países europeus em bloco recusam essa redistribuição. A terceira opção, que diria mais provável, é alguns países europeus estarem de acordo com essa opção, mas outros não. Esse cenário colocaria em risco a unidade da NATO", acrescentou.

Por seu lado, um ex-conselheiro do Kremlin, Sergey Karaganov, disse à euronews que a Rússia vai continuar a ter uma posição mais cooperante com os europeus do que com os norte-americanos.

"Sem dúvida que lamentamos muito pela sitruação dos nossos amigos e irmãos europeus, que foram colocados entre a espada e a parede. Nós não queremos ameaçá-los. Além de que a Rússia tem agora muito menos armas do que tinha quando existia a União Soviética", explicou.

O pacto histórico foi assinado em 1987 entre EUA e a antiga União Soviética para limitar a corrida às armas nucleares.