A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Aumenta a revolta contra o Presidente do Haiti

Aumenta a revolta contra o Presidente do Haiti
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A crise política no Haiti agrava-se após uma semana de protestos violentos que provocaram pelo menos nove mortos.

Manifestantes entraram em confronto com a polícia, esta quarta-feira, em Port-au-Prince, enquanto milhares de pessoas marcharam em protesto contra o presidente Jovenel Moise e a corrupção sistémica.

Os manifestantes, na sua maioria homens jovens, saíram em massa para as ruas da capital para insistir na demissão do Presidente.

Um homem morreu, esta quarta-feira, e várias pessoas, incluindo um jornalista, ficaram feridas durante os violentos confrontos entre os manifestantes e a polícia nas proximidades do Palácio Nacional.

Os protestos são convocados pelo Setor Democrático e Popular, composto por líderes de partidos da oposição e por grupos populares.

O país caribenho enfrenta uma importante crise económica que se agravou com uma acentuada depreciação do gourde, a moeda oficial.

No Haiti, mais da metade dos 11 milhões de habitantes sobrevivem com menos de US $ 2 por dia.

Os manifestantes também pedem justiça nas alegadas irregularidades no programa Petrocaribe, através do qual a Venezuela fornece petróleo ao Haiti a preços baixos.

Uma auditoria apresentada, na semana passada, pelo Tribunal de Contas revelou irregularidades entre 2008 e 2016 neste programa e indicou que 15 ex-ministros e atuais funcionários estavam envolvidos neste caso, assim como uma empresa liderada por Moise antes de chegar à presidência.

Dado o panorama de incerteza e insegurança, muitas embaixadas, incluindo as de Espanha e México, suspenderam o serviço consular, enquanto outras, como as do Canadá e República Dominicana, fecharam.