Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Estudo europeu vai analisar tratamento do traumatismo craniano

Estudo europeu vai analisar tratamento do traumatismo craniano
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Dois milhões e meio de europeus sofrem de traumatismo craniano todos os anos. A recuperação depende da forma como foram tratados e do local onde foram tratados.

Médicos de vários países europeus, reunidos, recentemente, na Universidade de Antuérpia, defendem que os pacientes devem ter um tratamento de melhor qualidade e individualizado.

Os peritos europeus acabaram de lançar um vasto estudo internacional para melhorar o diagnóstico e os cuidados de saúde das pessoas que sofreram um traumatismo craniano.

Uma patologia complexa

Bart sofreu um traumatismo craniano num acidente de carro em 2015. A história deste paciente ilustra bem a complexidade da doença.

Bart recebeu tratamento para os ferimentos nas pernas, mas, na sala de emergências, os médicos não detetaram o traumatismo craniano. O paciente só se apercebeu de que havia um problema quando as pessoas começaram a dizer-lhe que o seu comportamento tinha mudado.

"Ficava muito agitado, à beira da fúria, acontecia de repente, e eu antes não era assim. No início, não quis acreditar, até que um médico me disse que era algo bastante normal que acontecia mais vezes do que as pessoas pensavam", contou o paciente.

O caso de Bart é um dos milhares de casos que vão ser estudados por um grupo de especialistas de vários países da Europa, no âmbito do projeto europeu Center-TBI.

"Felizmente ele teve um tratamento adequado e recuperou totalmente. Mas nos pacientes, que não são tratados, os sintomas podem piorar", afirmou Andrew Maas, especialista em traumatismos cranianos e coordenador do projeto europeu Center-TBI.

Os peritos do projeto europeu reunidos na Universidade de Antuérpia consideraram que é urgente tomar medidas.

"Não houve novos tratamentos para o traumatismo craniano nos últimos quarenta anos. Por isso, nós, investigadores de vários países europeus, tínhamos de nos reunir para estudar esta patologia e perceber melhor o que está a causar a enorme quantidade de mortes e deficiências aos nossos pacientes", sublinhou Fiona Lecky, urgentista e investigadora da Universidade de Sheffield.

Milhares de casos em análise

O projeto europeu vai analisar os casos de 4500 pessoas em 19 países que sofreram um traumatismo craniano.

Os médicos vão examinar homens e mulheres de várias idades, residentes tanto em áreas rurais como em áreas urbanas, entre muitas outras categorias, vão comparar as diferentes respostas a cada situação de emergência e avaliar a forma como os pacientes foram seguidos.

Nos últimos anos, o traumatismo craniano passou a ser visto como uma doença crónica com um custo elevado para a sociedade.

"É um enorme problema para as pessoas e para as famílias. São não só pacientes com dificuldade em mexer um braço ou uma perna, mas podem ter dificuldades em pensar, perceber, comunicar e reintegrar a sociedade. É um problema para a sociedade, para toda a sociedade, porque um em cada duzentos dólares é gasto a tratar as consequências do traumatismo craniano", sublinhou o professor David Menon, consultor em Neurologia da Universidade de Cambridge.

As vantagens da Imagem por Ressonância Magnética

Uma das abordagens promissoras passa pelo recurso à IRM, à ressonância magnética, que permite detetar as lesões e obter detalhes fundamentais para o diagnóstico. É um procedimento mais caro e mais complexo que a TAC, a tomografia axial computorizada, mas pode fazer a diferença.

A TAC é adequada para detetar sangramento ou osso mas o contraste do tecido vê-se melhor com a IRM", explicou Jan Verheyden.

Além de sugerirem o recurso à Imagem por Ressonância Magnética, os investigadores chamam a atenção para a necessidade de melhorar a organização dos cuidados médicos.

"Provavelmente, o grande passo em frente que poderemos poder dar prende-se com a gestão dos cuidados de saúde e com a estratégia de tratamento", sublinhou Andrew Maas.

Os investigadores europeus deverão apresentar as conclusões do projeto sobre o traumatismo craniano em abril de 2020.