A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

"Breves de Bruxelas": Conferência para a Síria, Poluição do ar e proteção aos denunciantes

"Breves de Bruxelas": Conferência para a Síria, Poluição do ar e proteção aos denunciantes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Bruxelas acolhe a terceira Conferência de doadores para a Síria até quinta-feira (14 de março). Ao todo, são mais de 80 as delegações de alto nível que marcam presença no encontro com o objetivo de manter a comunidade internacional mobilizada para ajudar e resolver a crise síria.

Desde 2011 que o país está em guerra e a situação humanitária é cada vez pior. Cerca de 11 milhões de pessoas continuam a depender da ajuda internacional.

Este é o tema de abertura do programa "Breves de Bruxelas", que passa em revista a atualidade europeia diária. Em destaque estão, também, as seguintes notícias:

  • A poluição atmosférica mata mais pessoas por ano do que fumar. É a conclusão de um estudo publicado esta terça-feira no European Heart Journal. Os investigadores da Alemanha e Chipre estimaram que a poluição do ar provocou quase 9 milhões de mortes em 2015, enquanto o tabaco matou cerca de sete milhões de pessoas. Apelam a uma ação urgente para que se deixe de queimar combustíveis fósseis.
  • Os denunciantes vão passar a ser protegidos na União Europeia. O Parlamento e o Conselho Europeu chegaram a acordo sobre uma diretiva que vai dar garantias jurídicas àqueles que denunciarem casos de corrupção, evasão fiscal e outros crimes. A diretiva proíbe ainda medidas de retaliação contra os denunciantes, de forma a impedir que sejam despedidos ou alvo de assédio no local de trabalho.
  • Aumentou 47% o número de patentes pedidas por instituições portuguesas no ano passado. Passou de 150 para 220, mas Portugal continua a ser uma gota no oceano dos pedidos de protecção de propriedade intelectual feitos na Europa. Só a alemã Siemens, fez quase 2.500 pedidos de patente e relegou para o segundo lugar a gigante tecnológica chinesa Huawei.