Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Emigração mais temida que imigração em parte da UE

Emigração mais temida que imigração em parte da UE
Direitos de autor
REUTERS/Russell Cheyne/File Photo
Tamanho do texto Aa Aa

O êxodo de trabalhadores nacionais em setores tais como saúde, construção civil ou indústria preocupa cada vez mais os cidadãos da União Europeia.

Uma sondagem realizada em 14 Estados-membros, que não inclui Portugal, mostra que a população está decrescer de forma aguda em vários países e que esse tema preocupa muito os entrevistados na Letónia, Lituânia, Hungria, Bulgária e Grécia.

A emigração de nacionais para outros países é mais mais preocupante do que a chegada de imigrantes, disseram os entrevistados na Polónia, Hungria, Bulgária, Itália e Espanha, que fazem parte do estudo encomendado pelo centro de estudos Conselho Europeu para as Relações Externas, e cujos resultados foram publicados, esta segunda-feira, pelo jornal britânico "The Guardian".

"Muitos jovens da Estónia vão viver para a vizinha Finlândia porque não existe barreira linguística e a cultura é similar. O efeito de proximidade é importante. No caso da Croácia, muitos emigram para a República Checa e para a Alemanha. A motivação tem que ver com critérios culturais, mas também com as condições de vida ", foram exemplos dados à euronews por Simona Cavallini, investigadora na Fundação FORMIT (Itália).

Em alguns casos, os entrevistados defendem que devem ser tomadas medidas para evitar a emigração dos seus nacionais, sobretudo dos jovens com formação universitária.

É o que pensam mais de 50 por cento daqueles que participaram na sondagem em Espanha, Itália e Grécia.

A sondagem visava, também, obter dados sobre que outros temas preocupam os 50 mil entrevistados.

Apesar do discurso de líderes nacionalistas, tais como o húngaro Viktor Orbán e o italiano Matteo Salvini, contra a chegada de imigrantes económicos, muitos europeus querem soluções para problemas tais como o crescimento económico, a corrupção e as alterações climáticas.