Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Concerto solidário angaria 300 mil euros para Moçambique

Família moçambicana
Família moçambicana -
Direitos de autor
Reuters/MIKE HUTCHINGS
Tamanho do texto Aa Aa

Moçambique vive um drama que será impossível esquecer, pelo menos para quem a sentiu na pele. António Momphasa recorda o dia da tragédia como se fosse hoje:

"As paredes das casas caíam. A minha família gritava: "pai, pai! Onde posso esconder-me? Onde posso esconder-me?" E eu olhava sem poder fazer nada."

As memórias não se apagam mas é preciso seguir em frente. Em Portugal, não se sentiu a devastação provocada pelo ciclone Idai, ainda assim, abriu-se uma enorme corrente de solidariedade. Terça-feira à noite cantou-se para angariar fundos para Moçambique. Sexta-feira juntam-se outros músicos, entre eles o pianista Mário Laginha, para dar música e conseguir dinheiro para apoiar quem mais precisa.

Em Moçambique, onde a música não chegou, há mais de 1500 casos de cólera confirmados e ainda que a maioria não inspire cuidados, há vítimas mortais a lamentar e o trabalho de reconstrução, de renascimento, está ainda no princípio. As vacinas já chegaram e o programa de vacinação está na ordem do dia mas para a população há outras prioridades.

"O que precisamos agora é de comida. Não temos comida aqui, é muito duro, é como se não estivesse a ser um bom pai. É como se não fosse um bom pai para eles. É difícil!"

Só em Moçambique, e de acordo com números oficiais, há já mais de meio milhar de mortos, mas o número vai ainda aumentar. As autoridades, apoiadas por organizações internacionais, procuram apoiar as populações mas com estradas e pontes destruídas os desafios são maiores.