A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Neal Kermode e a energia das marés

Neal Kermode e a energia das marés
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A maior fonte de energia renovável de energia cobre até 70% do nosso planeta, por isso, pode ser bastante útil a energia dos oceanos dos oceanos como fonte estável para as grandes cidades. Vários países europeus têm apostado neste tipo de tecnologia, como é o caso de França.

Na ilha de Ushat, pertencente à região da Bretanha, eram utilizadas grandes quantidades de combustíveis fósseis para a produção de eletricidade. Vivem, na ilha, quase 900 pessoas. Espera-se que, dentro de 10 anos, os habitantes possam utilizar energia 100% renovável, graças ao desenvolvimento do sistema D10, que utiliza a energia das ondas e das correntes para produzir eletricidade.

Neil Kermode é diretor do Centro Europeu para a Energia Marina, EMEC.

Explicou à Euronews que é importante que as pessoas que vivem nas orlas costeiras se interessem por este tipo de tecnologia:

"Estas máquina vão ser trazidas de vários locais, mas devem ser mantidas por quem viva na zona onde são instaladas. É preciso que sejam arranjadas para funcionar. Vemos que é o que está a acontecer nestas ilhas. Foram criados vários postos de trabalho, apenas em pesquisa, e falta ainda a instalação e transferência de material. Por isso, pensamos que é importante para as comunidades das orlas costeiras no futuro, esta sustentabilidade e esta forma de fornecer energia."

"Penso que o que é necessário para fazer com que estas tecnologias funcionem é uma certa paciência, porque é preciso tempo para fazer com que funcionem e ter a certeza de que são fiáveis.

E de que podem cumprir com a missão de produzir energia amiga do ambiente. E isso não vai acontecer da noite para o dia. É preciso tempo.

Por isso, é preciso um apoio estruturado, um certo tipoi de apoio, que assegure de que é possível instalar esta tecnologia nos oceanos."

Saiba mais no programa OCEAN, da Euronews.