EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Rússia promete libertar cem baleias

Rússia promete libertar cem baleias
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sob forte pressão de organizações internacionais, as autoridades russas dizem que as baleias presas há meses em tanques perto de Nakhodka podem ser libertadas no verão.

PUBLICIDADE

Sob forte pressão de organizações internacionais, as autoridades russas dizem que as baleias presas há meses em tanques perto de Nakhodka podem ser libertadas no verão.

O oceanógrafo francês Jean-Michel Cousteau e especialistas de outros países reuniram-se, em Moscovo, com os governantes russos.

"A maioria, senão todas, se as conseguirmos libertar, serão libertadas onde foram capturadas, para que possam voltar a estar em contacto, esperamos, não apenas com as mesmas espécies, mas também potencialmente com a sua família, grupo ou amigos", afirmou Cousteau.

"Nós passámos, com profunda emoção, por um tempo muito difícil neste inverno. Durante esse período foi impossível libertar os animais. Teríamos perdido todos os animais. Agora está a chegar o verão e podemos fazer este trabalho e deve ser feito", disse o ministro russo do Ambiente, Dmitry Kobylkin.

Além de Jean-Michel Costeau, outras personalidades como a Rainha da Jordânia, Richard Branson ou Mark Ruffalo tinham assinado uma carta, enviada ao presidente russo, em que se pedia a libertação das dezenas de orcas e belugas, capturadas ilegalmente.

A Greenpeace Rússia alertou para a chamada "cadeia de baleias", perto de Nakhodka, em outubro do ano passado. Segundo a organização, os animais seriam provavelmente vendidos para parques marinhos na China.

As orcas podem ser vendidas por milhões de euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hora do crepúsculo para o Pacto Ecológico Europeu?

Maior feira de viagens do mundo destaca tendências do turismo

Flor-cadáver desabrochou em São Francisco