A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Mais de 30 mortos na ofensiva contra Tripoli

Mais de 30 mortos na ofensiva contra Tripoli
Direitos de autor
REUTERS/Esam Omran Al-Fetori
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Ocidente teme, cada vez mais, que os confrontos pelo controlo da capital líbia degenerem numa verdadeira guerra civil.

Segundo o ministério da Saúde do Governo de União Nacional, baseado em Tripoli e apoiado pela ONU, pelo menos 32 pessoas perderam a vida e outras 50 foram feridas desde o início, na passada quinta-feira, da ofensiva lançada pelo Exército Nacional Líbio, liderado pelo marechal Khalifa Haftar.

Mais de 2200 civis fugiram e muitos outros encontram-se encurralados pelos combates no sul da capital líbia, de acordo com as Nações Unidas.

Os combates subiram de tom, com ambas as forças a efetuarem raides aéreos este fim-de-semana.

Este domingo, o porta-voz das forças governamentais anunciou o lançamento de uma contraofensiva denominada "Vulcão de Cólera" para "limpar todas as cidades líbias dos agressores" conduzidos por Haftar.

Os Estados Unidos anunciaram a retirada do seu pessoal militar no terreno e apelaram à "paragem imediata" dos combates.

A Rússia bloqueou a adoção, no Conselho de Segurança da ONU, de uma declaração que pedia a Haftar para interromper a ofensiva, depois de Washington ter rejeitado uma proposta russa para que o apelo ao fim das hostilidades se estendesse também às forças governamentais.

No terreno, importantes grupos militares da cidade de Misrata, a 200 quilómetros de Tripoli, dirigiram-se para a capital aparentemente decididos a apoiar as forças governamentais.