Mais de 30 mortos na ofensiva contra Tripoli

Mais de 30 mortos na ofensiva contra Tripoli
Direitos de autor REUTERS/Esam Omran Al-Fetori
De  Rodrigo Barbosa com AFP / Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ocidente teme que ofensiva do Exército Nacional Líbio para conquistar Tripoli ao governo apoiado pela ONU degenere em guerra civil. Combates já fizeram mais de 30 mortos

PUBLICIDADE

O Ocidente teme, cada vez mais, que os confrontos pelo controlo da capital líbia degenerem numa verdadeira guerra civil.

Segundo o ministério da Saúde do Governo de União Nacional, baseado em Tripoli e apoiado pela ONU, pelo menos 32 pessoas perderam a vida e outras 50 foram feridas desde o início, na passada quinta-feira, da ofensiva lançada pelo Exército Nacional Líbio, liderado pelo marechal Khalifa Haftar. 

Mais de 2200 civis fugiram e muitos outros encontram-se encurralados pelos combates no sul da capital líbia, de acordo com as Nações Unidas.

Os combates subiram de tom, com ambas as forças a efetuarem raides aéreos este fim-de-semana. 

Este domingo, o porta-voz das forças governamentais anunciou o lançamento de uma contraofensiva denominada "Vulcão de Cólera" para "limpar todas as cidades líbias dos agressores" conduzidos por Haftar.

Os Estados Unidos anunciaram a retirada do seu pessoal militar no terreno e apelaram à "paragem imediata" dos combates. 

A Rússia bloqueou a adoção, no Conselho de Segurança da ONU, de uma declaração que pedia a Haftar para interromper a ofensiva, depois de Washington ter rejeitado uma proposta russa para que o apelo ao fim das hostilidades se estendesse também às forças governamentais.

No terreno, importantes grupos militares da cidade de Misrata, a 200 quilómetros de Tripoli, dirigiram-se para a capital aparentemente decididos a apoiar as forças governamentais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Único aeroporto de Tripoli em funcionamento é encerrado

Líbia: Eleição presidencial adiada para 24 de janeiro de 2022

Filho de Kadhafi candidato à Presidência da Líbia