Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Que balanço do "Grande debate nacional" em França?

Que balanço do "Grande debate nacional" em França?
Direitos de autor
REUTERS/Charles Platiau
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de 10 mil debates depois, em todo o território francês, chegou o dia de balanços, esta segunda-feira, em Paris.

Redução de impostos, justiça fiscal, proximidade, ecologia e saúde são alguns dos temas críticos que emergiram de horas de discussão com autarcas, líderes regionais, estudantes ou trabalhadores, por exemplo. Foram chamados a participar no "Grande debate nacional" promovido pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, como forma de dar resposta aos protestos dos "coletes amarelos."

"Existe um sentimento de saturação fiscal, que foi confirmado pelos participantes que responderam ao questionário acerca dos impostos. Registámos o maior número de respondentes individuais, mais de 400 mil pessoas", referiu Frédéric Michaud, diretor de estudos no instituto de sondagens OpinionWay.

Os cidadãos manifestaram-se e deixaram claro que só estão dispostos a pagar mais impostos para a saúde.

"O nosso país atingiu uma espécie de tolerância zero fiscal, não sei se podemos dizer assim, mas é desta maneira que é frequentemente referida. O debate indica claramente o rumo a tomar. Temos de cortar impostos e de forma rápida", sublinhou o primeiro-ministro francês Édouard Philippe.

Muitas contribuições surgiram através da Internet, mas o grande debate levou cerca de 500 mil pessoas a encontros promovidos por autoridades locais, associações e até igrejas.

De acordo com alguns eleitos locais portugueses, a comunidade lusa não teve uma grande participação. Em muitas cidades francesas há pouca esperança na mudança com estas propostas.