A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

"Breves de Bruxelas": Viagem de bicicleta, negociações UE-EUA e Justiça

"Breves de Bruxelas": Viagem de bicicleta, negociações UE-EUA e Justiça
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Todos os meses os eurodeputados viajam entre Bruxelas e Estrasburgo, onde está a sede do Parlamento Europeu. É ali que defendem e votam as políticas que acreditam serem as melhores para os europeus.

Mas será que alguma vez pararam pelo caminho e falaram com as pessoas que vivem entre estas cidades?

É exatamente isso que o correspondente da Euronews, Sandor Zsiros, decidiu fazer.

Este é o tema de abertura do programa "Breves de Bruxelas", que passa em revista a atualidade europeia diária. Em destaque estão, também, as seguintes notícias:

  • A Comissão Europeia vai iniciar as negociações comerciais com os Estados Unidos, numa tentativa de suavizar as relações entre duas das maiores economias do mundo. O órgão que coordena a política comercial dos 28 países membros, obteve dos governos dois mandatos de negociação. Um para cortar as tarifas dos produtos industriais e outro facilitar às empresas a adaptação dos produtos às exigências americanas ou europeias.
  • Foi suspensa por tempo indeterminado a batalha para escolher o primeiro procurador-chefe da União Europeia. Os negociadores europeus cancelaram uma quarta ronda de conversações com os países membros, arrastando a escolha entre uma romena e um francês. O Parlamento Europeu decidiu por isso entregar o mandato de negociação à próxima assembleia que vai tomar posse em julho, depois das eleições europeias.
  • A Polónia violou a lei da União Europeia. Este é o parecer do advogado-geral do Tribunal de Justiça da União Europeia sobre a reforma judicial que o governo está a levar a cabo no país. Considera que a independência do Supremo Tribunal polaco não está garantida e dá como exemplo a alteração da idade de reforma dos juízes do Supremo. O parecer do advogado-geral não é vinculativo mas é habitualmente confirmado pelos juízes do tribunal europeu.