Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Angola abre novo concurso para quarta operadora de telecomunicações

Angola abre novo concurso para quarta operadora de telecomunicações
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Transparência e regras claras. O Presidente de Angola abriu um novo concurso para o quarto operador de telecomunicações no país, uma semana depois de ter anulado o anterior.

O primeiro tinha sido ganho pela Telstar que não apresentou resultados operacionais dos últimos três anos, como exigia o caderno de encargos, facto que levantou muitas dúvidas quanto à clareza da adjudicação.

A 18 deste mês, João Lourenço anulou o concurso público internacional para a quarta operadora de telecomunicações em Angola, alegando que a empresa vencedora não apresentou resultados operacionais dos últimos três anos, como impunha o caderno de encargos.

Seis dias antes, a empresa angolana Telstar foi considerada vencedora do concurso para a exploração da quarta operadora de telecomunicações em Angola, mas João Lourenço justificou a decisão com o incumprimento da concorrente em apresentar o "balanço e demonstrações de resultados e declaração sobre o volume global de negócios relativo aos últimos três anos".

A Telstar - Telecomunicações, Lda. foi criada a 26 de janeiro de 2018 e tem 200 mil kwanzas (550 euros) de capital social, tendo como acionistas o general Manuel João Carneiro (90%) e o empresário António Cardoso Mateus (10%).

A medida surgiu dois dias depois de o ministro das Telecomunicações e das Tecnologias de Informação de Angola, José Carvalho da Rocha, ter referido que já não era possível impugnar os resultados.

Nesta altura, Angola conta com três operadoras de telecomunicações: a Unitel com cerca de 80% de quota mercado, a Movicel, com cerca de 20% e a Angola Telecom (empresa estatal em processo de privatização) com uma posição residual.