Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

A caminho das eleições europeias: Sofá vermelho chega à Roménia

A caminho das eleições europeias: Sofá vermelho chega à Roménia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de passar pela Bulgária, a nossa viagem por estrada através dos Estados-membros da União Europeia chega agora à Roménia. Em Bucareste, Apóstolos StaikoseBryan Carter passam o testemunho a um novo duo de jornalistas - Damon Embling e Gabor Tanács.

"Tivemos uma semana intensa e entusiasmante. As pessoas na Bulgária estão muito zangadas com os políticos. Diria que a corrupção e os baixos salários são os dois principais temas no país. No entanto, a maioria dos jovens está otimista quanto ao futuro", conta Apóstolos Staikos.

"Apesar deste otimismo dos jovens, a população da Bulgária está a deixar o país à procura de melhores oportunidades. As aldeias nas zonas rurais estão a ficar desertas, as pessoas estão a sair para a cidade e vemos sítios que antes estavam cheios de vida ficarem completamente vazios", diz Bryan Carter.

Um antigo país comunista, a Roménia sofreu uma transformação na economia desde que se juntou à União Europeia. O desemprego está em mínimos históricos, mas ao mesmo tempo há grandes desigualdades. Cerca de um terço da população vive na pobreza. As infraestruturas estão degradadas, é o caso das estradas e o país está na mira de Bruxelas por causa da independência dos tribunais e da corrupção.

Damon Embling: "É a minha primeira vez na Roménia e estou com muita vontade de explorar o país. Visto de fora, o problema principal é a corrupção, certo? A Roménia continua classificada como um dos países mais corruptos da Europa".

Gábor Tanács "Um problema comum dos países pós-soviéticos é que enganar o estado tem sido uma das estratégias de maior sucesso. é uma mentalidade profundamente enraizada na sociedade, que causa em parte o problema".

Damon Embling: "Os esforços da Roménia para atacar a corrupção estão muito na ribalta, por causa do referendo que acontece na mesma altura das eleições europeias. O presidente está a tentar bloquear novas leis propostas pelos sociais-democratas, que estão no governo, e que alguns dizem ser feitas à medida para parar a investigação a certos casos de corrupção".

Gábor Tanács: "Vai ser interessante ver os desenvolvimentos, porque a Roménia está muito dividida entre as cidades e as áreas rurais. Vamos ver o que pensam as pessoas".

Instalámos o nosso sofá vermelho na Praça da Universidade, em Bucareste: "A União Europeia pode ajudar-nos tudo o que puder, mas se não nos podemos ajudar a nós próprios, não serve de nada. A corrupção está em todo o lado, do topo à base", diz uma avó romena.

Diz Vlan, estudante: "Os romenos serão sempre romenos, onde quer que vão. Podem estar a viver no Reino Unido, em França, ou até fora da União Europeia, pouco importa, somos sempre romenos de coração. Simplesmente, não conseguimos fazer a nossa vida aqui".

A pressão e as expetativas são altas, em relação ao futuro. Livrar o país da corrupção é importante, mas manter a economia no bom caminho também, tal como convencer as pessoas a ficar, num país em que a população está a diminuir e a envelhecer.