EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Rádio Caracas luta pela sobrevivência

Rádio Caracas luta pela sobrevivência
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Rádio Caracas viu-se obrigada, depois de ver revogada a sua licença, a mudar de rumo. Hoje não se ouve nos rádios mas na internet.

PUBLICIDADE

Na Venezuela a luta dos meios de comunicação social continua nas ruas. A Rádio Caracas, a mais antiga do país, viu as suas emissões suspensas pelo regime de Nicolás Maduro. O organismo competente alegou que a licença, que datava de 2007, estava caducada. Mas para o diretor da estação o motivo foi outro: o facto de terem emitido uma ação política de Juan Guaidó junto à base aérea de Carlota, na capital do país, a primeira que indicava uma tentativa de mudança na direção política. Estávamos a 30 de abril. 

Hoje, as ondas hertzianas foram trocadas pela "rede", a internet foi a forma que encontraram de continuar a chegar aos ouvintes, de manter os 42 funcionários, de "lutar contra o medo" e de resistir:

"É preciso encontrarmos maneiras de permanecermos juntos, novas formas de luta, temos de encontrar, sobretudo, novas formas de resistir e de aguentar. Um governo não pode permanecer no poder quando há 87 por cento de pessoas que o detesta, quando não pode dar-lhes eletricidade, nem água, alimentos ou medicamentos", explica Jaime Nestares, diretor da Rádio Caracas Rádio.

O grupo, ao qual pertence a Rádio Caracas, tinha visto já serem suspensas, em 2017, as emissões da RCR TV, o que consideram ser uma "grave violação do direito à informação". Mais uma acha na fogueira da crise venezuelana com mais de um milhar de pessoas a perderem os seus postos de trabalho.

Editor de vídeo • Nara Madeira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Deputados perdem imunidade por apoio a Guaidó

Apoiantes de Maduro mobilizam-se

Jornalistas palestinianos recebem Prémio Liberdade de Imprensa da UNESCO