Última hora

Última hora

França procura solução para vazio legal das trotinetes elétricas

França procura solução para vazio legal das trotinetes elétricas
Tamanho do texto Aa Aa

À medida que o tempo fica mais quente e mais pessoas procuram o ar livre, a utilização de trotinetes elétricas dispara. No entanto, o governo francês quer agora estabelecer alguns limites.

As novas regras nacionais em desenvolvimento podem proibir o uso das trotinetes elétricas na calçada, exigir que os utilizadores usem um colete refletor à noite, e aqueles com menos de 12 anos podem vir a ser obrigados a ter capacete.

As multas por violar estas novas regras podem ser bastante duras: de 35 a 1500 euros.

França assumiu um interesse especial na 'febre' das trotinetes elétricas. Mas os problemas persistem, não só em solo francês, mas também noutros países europeus e até Portugal não é exceção. Paris, por exemplo, tem lutado para encontrar uma maneira adequada de estacionar quase 40 mil trotinetes.

Também a segurança é uma preocupação cada vez maior. Só em 2017, 284 pessoas ficaram feridas e cinco foram mortas em acidentes envolvendo trotinetes.

"A trotinete é um veículo que não está devidamente identificado no código da estrada, por isso seria apropriado que o ministro dos transportes se pronunciasse e garantisse que esse vazio legal é preenchido. Isto no sentido de que os municípios locais possam assegurar que estes veículos são úteis, mas ao mesmo tempo, respeitosos em relação a pedestres ou ciclistas", afirma Jean-Yves Secheresse, adjunto do presidente da Câmara de Lyon, Gerard Collomb.

Jean-Yves Secheresse negociou com operadores de serviço gratuito de trotinetes para implementar restrições específicas em Lyon. O adjunto do presidente da câmara espera que as novas regras permitam que as cidades continuem o debate neste tema.

"Vamos tentar ir mais longe nas nossas negociações para garantir uma regularização das restrições de velocidade. Já estamos a ter alguns resultados com uma operadora americana, que pode variar a velocidade e potência das trotinetes na cidade graças à geolocalização", acrescenta.

As empresas que exploram as trotinetes estão recetivas a novas regras nacionais em França. Muitas incentivam mesmo uma condução mais segura através das respetivas plataformas de comunicação, mas pouco fizeram para garantir que tais regras são seguidas.

Antoine Bluy representa a Lime, a maior operadora em França. O diretor operacional diz que a empresa aguarda ansiosamente as novas regras - depois de meses de discussões com o governo francês.

Esperamos com impaciência a lei de mobilidade que deve chegar este verão e que deve legislar sobre as trotinetes eletricas no código da estrada e criar regras de circulação

"Hoje somos os primeiros a sofrer com o facto de que não haver regras e damos os nosso máximo porque as trotinetes não devem andar nos passeios quando andam a uma velocidade superior ao da marcha. Esperamos esta lei para poder sancionar o mau uso destes veículos", declara.

Se os novos regulamentos forem aprovados como tudo indica, estarão já em vigor a partir de setembro.