Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Manual para as eleições europeias

Manual para as eleições europeias
Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de 427 milhões de eleitores são chamados às urnas até dia 26 para um sufrágio que promete mudar o quadro político da União Europeia.

É o maior escrutínio democrático no mundo a seguir ao da Índia e aos seus 900 milhões de eleitores.

São 28 eleições distintas organizadas em cada um dos Estados-membros da União Europeia. Os eurodeputados são eleitos pelo método proporcional. A idade mínima para votar varia, com Áustria e Malta a abrirem as urnas aos que têm 16 anos e a Grécia aos que têm 17.

Holanda e Reino Unido dão o pontapé de saída, com os britânicos a irem a jogo obrigados e na perspetiva de abandonarem o barco ainda antes do final do ano.

As grandes decisões estão agendadas para domingo, quando 21 países vão a votos, incluindo Portugal.

O voto é obrigatório em cinco Estados-membros, a saber: Bélgica, Bulgária, Chipre, Grécia e Luxemburgo.

Em jogo, estão 751 lugares no Parlamento Europeu, que pode ver o contingente reduzido para 705 quando e se se confirmar a saída do Reino Unido.

A Alemanha é o país com mais deputados, fruto do peso demográfico do motor económico da Europa: dispõe de 96 assentos. Ao invés, os países mais pequenos têm apenas 10 lugares cada: são os casos de Chipre, Malta e Luxemburgo. Portugal elege 21 deputados.

Uma das grandes incógnitas do escrutínio é a abstenção

Desde as primeiras eleições europeias por sufrágio direto a taxa de participação não parou de cair.

Se em 1979, mais de 60% (61,99%) dos eleitores depositaram o voto, em 2014 a mobilização ficou pouco acima dos 40% (42,61%).

Nos países do Leste da Europa, o cenário foi ainda pior com a taxa de abstenção a ultrapassar os 75%.

Agora, os eleitores europeus voltam a ter a palavra para decidir quem faz as malas para Bruxelas e Estrasburgo