A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Mario Monti quer uma "Europa dos povos"

Mario Monti quer uma "Europa dos povos"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em vésperas de eleições europeias, o ex-primeiro-ministro italiano, Mario Monti, deu uma enhtevista exclusiva à Euronews onde afirma que é necessário uma Europa diferente para ultrapassar o perigo populista.

Apesar de a Itália estar a ser governada por populistas, Monti acredita que no Parlamento Europeu serão minoria.

Mario Monti, ex-primeiro-ministro de Itália: "A Itália será, provavelmente, o país com maior avanço de partidos populistas ou nacionalistas nas eleições europeias. Afinal de contas, somos o único país a ter uma coligação de dois partidos, ambos populistas. Todas as previsões sugerem que não haverá maioria nacionalista no Parlamento Europeu, por isso os deputados eleitos em Itália vão sentar-se principalmente nas bancadas da oposição. Por esta razão, não espero que o próximo Presidente da Comissão Europeia seja populista, nem espero que haja uma maioria de comissários populistas ou nacionalistas. Isto significa que a Itália, no contexto dos organismos europeus, irá na direção oposta."

Euronews, Giorgia Orlandi: "A liderança europeia vai mudar em breve. Que tipo de Europa teremos depois das eleições?"

Mario Monti, ex-primeiro-ministro de Itália: "Espero que seja muito diferente da que tivemos até agora, que também conseguiu grandes coisas. Não é suficiente que, uma vez que o perigo tenha passado, se os nacionalistas não conseguirem uma maioria, que a Europa retorne, com um suspiro de alívio. ao seu modo tradicional de ser. O que significa abolir o poder de veto dos Estados-Membros. Se queremos uma Europa dos povos, precisamos de uma Europa em que a voz do Parlamento e da Comissão seja mais forte e em que os países que querem bloquear o progresso dos outros tenham uma vida mais difícil ".