Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Macron e Sánchez acertam posições para futuros cargos europeus

Macron e Sánchez acertam posições para futuros cargos europeus
Tamanho do texto Aa Aa

Em plena 'ressaca' das eleições europeias, o presidente francês, Emmanuel Macron, recebeu o chefe do governo espanhol, Pedro Sánchez, para uma reunião em Paris que marca o início de uma autêntica 'guerra dos tronos' na Europa.

Com a liderança da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu, do Conselho Europeu e ainda do Banco Central Europeu em aberto, diversos analistas políticos apontam para uma aproximação entre o grupo liberal democrata e os socialistas que pode influenciar de forma decisiva as escolhas.

Macron já tinha estado na última semana com António Costa e esta terça-feira marca novo encontro com o primeiro-ministro português. Presentes estarão também Pedro Sánchez e os homólogos de Bélgica e Holanda, Charles Michel e Mark Rutte, respetivamente.

Estes líderes europeus vão agora coordenar posições para a definição das chefias europeias, numa movimentação que deve bloquear a nomeação de Manfred Weber para a Comissão Europeia.

Numa entrevista recente à SIC, António Costa já tinha deixado bem clara a sua vontade de ter o socialista holandês Frans Timmermans, atual vice-presidente da Comissão, à frente do organismo ainda liderado por Jean-Claude Juncker.

"Manifestamente, acho que o candidato do PPE, Manfred Weber, não tem condições, até porque tem uma rejeição quase absoluta no Conselho [Europeu] - e no Parlamento Europeu também é de todos os candidatos o que gera maior hostilidade. Frans Timmermans tem várias qualidades que o ajudam a que possa ser um bom candidato de consenso", explicou.

A cimeira informal desta terça-feira do Conselho Europeu pretende dar início às conversações entre chefes de Estado e Governo da União Europeia (UE) para escolher os novos líderes das instituições.