Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Albânia e Macedónia do Norte mais perto da UE?

Albânia e Macedónia do Norte mais perto da UE?
Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Europeia recomendou, quarta-feira, a abertura das negociações de adesão à União Europeia com a Albânia e a Macedónia do Norte. O executivo europeu considerou que estes países da região dos Balcãs Ocidentais cumprem os requisitos que lhes foram exigidos.

A Macedónia do Norte até mudou de nome para pôr fim a um conflito com a Grécia.

Face a recentes incidentes entre o Kosovo e a Sérvia, também países dos Balcãs Ocidentais que querem entrar na União, a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, disse que é crucial fomentar a estabilidade.

"Se usarmos este processo de forma inteligente, podemos avançar colaborativamente para o reforçar e torná-lo irreversível. Se perdermos esta oportunidade, vejo o risco de regressarem as forças das trevas do passado, criando confrontação ou até conflito", explicou, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

Resistência de França e Holanda

No entanto, Estados-membros como França e Holanda consideram que este não é o momento indicado para avançar com o oitavo alargamento.

A saída do Reino Unido e a necessidade de reforma interna são os argumentos apresentados.

Mas alguns analistas dizem que há, sobretudo, o receio de novos migrantes a entrar no espaço de livre circulação, um receio que não se justifica.

"O tamanho destas populações não representa nenhuma ameaça às economias ou à estabilidade europeia. Pelo contrário, a efetiva ameaça à estabilidade europeia é não dar a esta região perspetivas de um futuro estável. Sabemos bem que a relutância em França e na Holanda está muito ligada à política interna", disse Edouard Joseph, analista político no Centro para as Relações Transatlânticas.

A ameaça da Rússia

Este especialista em política internacional realça, ainda, o risco da interferência da Rússia. O regime de Vladimir Putin não esconde a aversão ao que considera ser uma incursão na sua região de influência.

"Sabemos que a Rússia é muito ativa na Bósnia e na Sérvia, tentando apresentar-se como uma alternativa. Oseu objetivo é, sobretudo, frustrar a política do Ocidente de integração euro atlântica dos Balcãs. É fundamental contrariar essa estratégia através do reforço da mensagem de que se estes países fizeram as reformas necessárias, que devem ser feitas, então terão o futuro europeu na sua trajetória", afirmou Edouard Joseph.

Na cimeira europeia de junho, os chefes de Estado e de Governo dos 28 países vão decidir sobre esta recomendação do executivo, mas fontes diplomáticas dizem que obter um consenso poderá demorar mais algum tempo.