Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Indústria alemã exige soluções de Merkel

Indústria alemã exige soluções de Merkel
Tamanho do texto Aa Aa

A indústria alemã apelou a Angela Merkel que solucione a crise política que penaliza e descredibiliza a economia do país.

Durante o congresso anual em Berlim, a poderosa Federação da Indústria Alemã sublinhou que a coligação liderada por Merkel, entre os Democratas Cristãos e o Partido Social Democrata alemão, delapidou a confiança que lhe foi depositada pelos eleitores.

"Muitas das questões que a grande coligação aborda não atingem a grande maioria das pessoas ou já não atingem. O Governo de coligação - permita-me deixar isto bem claro - perdeu muita confiança", afirmou o presidente da Federação da Indústria Alemã. Dieter Kempf.

A chanceler respondeu, sublinhando o esforço e o trabalho que o seu Governo tem feito para proteger e estimular não apenas a economia alemã, mas também da União Europeia.

"O acordo com o Japão está concluído, o que é fantástico, com a Singapura também, e depois de muito trabalho. A Alemanha trabalhou incansavelmente. Temos um mandato para conversações com os Estados Unidos da América e penso que é de importância existencial. É lamentável que a França tenha votado contra este mandato, mas talvez tenhamos algum trabalho a fazer para convencer as pessoas. É minha convicção que devemos acabar com os conflitos comerciais, especialmente com os Estados Unidos, através de conversações e soluções sensatas", referiu.

Angela Merkel frisou, ainda, que a indústria tem de trabalhar muito para recuperar a confiança dos consumidores, em especial no setor estratégico do automóvel, fazendo assim referência ao escândalo das emissões poluentes.

A economia alemã está a ser afetada pela incerteza internacional. O desemprego subiu, inesperadamente, pela primeira vez em quase dois anos e a indústria continua a apresentar números sombrios. As ações estão em queda, nas bolsas, e a ameaça de um Brexit sem acordo permanece no horizonte.

Segundo o novo Barómetro de Confiança do Capital Global da EY, a Alemanha está abaixo de França, em terceiro lugar, com o Reino Unido ainda a ser o país da Europa mais atraente para projetos de investimento estrangeiro. Alemães e britânicos sofreram um declínio de 13% no número de projetos estrangeiros que atraíram, em comparação com o ano anterior.