Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Comissão Europeia recomenda processo disciplinar contra Itália

Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos
Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos -
Direitos de autor
REUTERS/Francois Lenoir
Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Europeia recomendou a abertura de um procedimento por défice excessivo contra Itália, por incumprimento das regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

A decisão, esta quarta-feira, deve-se, sobretudo, ao aumento da dívida pública, a segunda maior da União Europeia depois da Grécia.

Mas poderão ser evitadas sanções, segundo o comissário europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici: "Claro que, como acontece, sempre, com todos os Estados-membros, estamos dispostos a apreciar novos dados que possam mudar esta análise. A minha porta está aberta", disse, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

"O ataque não é a abordagem correta"

A decisão deve inflamar, novamente, as relações entre Bruxelas e Roma. Em outubro, a Comissão Europeia já havia alertado o governo italiano.

Tal como então, já há duras reações de membros da Liga, um dos partidos da coligação no poder, apostado numa política despesista para combater o aumento das desigualdades.

"Moscovici deveria entender que o ataque não é a abordagem correta. Acossar cinco milhões de pobres em Itália não é a abordagem correta. O comissário deveria optar por trabalhar com este governo no sentido de dar respostas italianas e europeias para ajudar cinco milhões de pobres e ajudar o país a crescer", afirmou, à euronews, Angelo Ciocca, eurodeputado italiano eleito pela Liga.

Isolamento de Itália

Para evitar sanções, o governo deverá fazer cortes no orçamento de mais de três mil milhões de euros e a resposta deve chegar nas próximas duas semanas a Bruxelas.

A ação disciplinar recomendada pela Comissão Europeia tem de ter o apoio dos Estados-membros e Itália não tem muitos aliados.

“A Itália está, atualmente, bastante isolada no seio do Conselho Europeu, tem poucos apoios. O passado mostra que os Estados-membros são em geral relutantes em punir os parceiros mas, desta vez, fazer alianças nesse sentido poderá ser mais difícil”, explicou, à euronews, Cinzia Alcidi, economista do centro de estudos CEPS.

A resposta de Roma vai exigir maior diálogo entre os dois partidos na coligação de governo (Liga e 5 Estrelas), o que está cada vez mais complicado, sobretudo em matéria orçamental e de respeito pelas regras de Bruxelas. O primeiro-ministro Giuseppe Conte já ameaçou demitir-se. As sanções podem chegar aos 3,5 mil milhões de euros.