EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Juncker preocupado com falta de crescimento económico em Itália

Juncker preocupado com falta de crescimento económico em Itália
Direitos de autor 
De  Joao Duarte Ferreira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Primeiro-ministro italiano afirma que para a semana entra em vigor um pacote legislativo para ajudar as empresas

PUBLICIDADE

O Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, expressou preocupação com a falta de crescimento económico em Itália.

Juncker encontra-se de visita ao país onde se reuniu com o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.

Está igualmente previsto um encontro com o presidente, Sergio Mattarella. Crise migratória e crescimento económico foram dois dos temas abordados.

"Se eu resumir o apoio total da Europa ao governo italiano a conta é de 130 mil milhões de euros desde 2014", adiantou Jean-Claude Juncker durante a conferência de imprensa realizada após um encontro com Giuseppe Conte.

"Por isso, entre a Itália e a Comissão Europeia existe muito amor. Vocês, jornalistas, têm que dizer isto aos ministros italianos", rematou Juncker.

Juncker respondia assim a declarações efetuadas na segunda-feira pelo vice-presidente italiano do conselho de ministros, Matteo Salvini, que afirmou que a União Europeia nunca ajudou Itália.

O primeiro-ministro italiano afirmou que o crescimento zero estava previsto e que para a semana o governo iria ativar um pacote legislativo destinado a ajudar as empresas.

O presidente da Comissão Europeia reconheceu a situação delicada que Itália atravessa na sequência da crise migratória mas recordou que a União Europeia contribuiu com mil milhões de euros para ajudar o país.

O presidente da Comissão sublinhou a necessidade de mais solidariedade entre a Europa e Itália.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissão Europeia recomenda processo disciplinar contra Itália

Itália assina "nova rota da seda"

Porto de Trieste vai resistindo ao impacto dos ataques dos Houthis no Mar Vermelho