Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

«Alcina», de Händel, e as vozes celestiais de Salzburgo

«Alcina», de Händel, e as vozes celestiais de Salzburgo
Tamanho do texto Aa Aa

A ópera «Alcina», de Händel, lança o feitiço no Festival Whitsun, em Salzburgo.

Numa produção de Damiano Michieletto, a aclamada meio-soprano Cecilia Bartoli dá vida à protagonista, que perde os poderes mágicos ao apaixonar-se.

"Esta história de Alcina é realmente incrível, uma feiticeira que se apaixona. E isso é completamente proibido. Há um jogo de cintura, poder, amor e também o facto de que ela está a envelhecer. Há sensualidade e leveza, podemos encontrar tudo isso nas óperas de Händel. Cada ária tem o seu próprio caráter, uma cor diferente. Cada obra-prima de Händel é uma jóia", conta Cecilia Bartoli.

Na contracena tem Philippe Jaroussky. O contratenor revela que "Händel era uma pessoa severa, muito difícil, com mau humor. Sabemos que chegou a ameaçar atirar uma soprano pela janela. Não era uma boa ideia incomodá-lo demasiado. E paradoxalmente a sua música tem muita sensualidade e humanidade. A música de Händel é provavelmente uma das mais emocionantes da história da música."

Bartoli é também a diretora artística do festival e decidiu dedicar a edição deste ano às vozes de castrato que inspiraram Händel e muitos outros compositores barrocos.

"Queria reunir as grandes vozes da era barroca, os estrelas do barroco que eram os castrati, como Farinelli, Caffarelli et Senesino", afirma.

Händel escreveu o papel do amante de Alcina, Ruggiero, para um famoso castrato. Hoje esses papéis são interpretados por um meio-soprano ou um contratenor que recorre à voz de cabeça.

"A particularidade dos castrati era a respiração, que era muito mais profunda que a média e lhes dava uma agilidade incrível. Eles eram capazes de fazer frases muito longas em apenas uma respiração e isso deve ter sido parte da magia dessas vozes", explica Jaroussky.

Para o contratenor, "é possível que passassem algum do próprio drama pessoal para a voz, porque os privaram da integridade física e deviam ser, por vezes, vidas cheias de melancolia. Cantar foi para eles o caminho para sobreviver!"

«Alcina» integra o programa do Festival de Verão de Salzburgo, de 8 a 18 de agosto.