EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"Champion", a vida do pugilista Emile Griffith numa ópera-jazz

Em parceria com
"Champion", a vida do pugilista Emile Griffith numa ópera-jazz
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Katharina Rabillon
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Musica foi espreitar os bastidores da Metropolitan Opera de Nova Iorque e ver os preparativos para a estreia desta ópera composta pelo músico de jazz Terence Blanchard.

A inovadora ópera "Champion", apresentada pela primeira vez na Metropolitan Opera de Nova Iorque, foi a primeira composta pelo famoso trompetista e compositor de jazz Terence Blanchard.

Na segunda parte da nossa viagem com o elenco e a equipa de "Champion", Musica segue o emocionante processo de ensaio até à noite de estreia, dando uma vista de olhos aos bastidores e descobrindo o que é necessário para encenar uma obra-prima moderna.

Caos controlado: Preparar a estreia

Começou a contagem decrescente final. Faltam duas semanas para a estreia de "Champion: Uma Ópera em Jazz".

A orquestra está a ensaiar, mas o que se vê é apenas a ponta do icebergue. A Metropolitan Opera é como um enorme transatlântico que nunca para.

"Temos, literalmente, um palco que está a ser utilizado 24 horas por dia, porque depois desta manhã tivemos um ensaio para 'Champion'. Esta noite temos uma atuação de 'O cavaleiro da rosa'. Durante a noite, um grupo noturno transformará o cenário de novo em 'Champion' para podermos retomar o ensaio amanhã de manhã", explicou Peter Gelb, Diretor-Geral da Metropolitan Opera de Nova Iorque. "É ininterrupto e é assim que gostamos. É um caos controlado", disse Gelb à Musica.

Terence Blanchard fez história em 2021 como o primeiro compositor negro a ter a sua obra apresentada na Metropolitan Opera.

"Estar aqui é surreal para mim. Sou um músico de jazz. Não é a minha rotina diária", explicou. "Este sítio tem tanta história. E sente-se isso nas paredes. Há muitas pessoas fantásticas a trabalhar aqui, que já cá estão há anos e que sabem o que estão a fazer."

Euronews
Terence Blanchard, compositor e músico de jazzEuronews

Muitos artesãos e artistas estão a trabalhar para um objetivo: encenar o drama convincente de Emile Griffith - a verdadeira história de um dos maiores pugilistas de todos os tempos.

Ryan Speedo Green é um baixo-barítono que interpreta o papel de Emile Griffith na produção.

"Interpreto o Emile que ainda é inocente, com grandes sonhos e grandes esperanças", conta. "No decorrer da ópera, vemos essas esperanças tornarem-se menos esperanças e mais a realidade. E ele tem não só de lidar com o facto de não ser sexualmente o que pensava ser, mas também de chegar a um ponto em que se apercebe que a sociedade não aceita quem ele é e isso esmaga-o."

Euronews
Ryan Speedo Green, baixo-barítono que interpreta Emile, e Latonia Moore, que interpreta a mãe de Emile em "Champion".Euronews

Emile Griffith veio para Nova Iorque na década de 1950. A sua carreira no boxe disparou e tornou-se campeão mundial de pesos-médios.

Mas teve dificuldades em lidar com a sua bissexualidade num desporto masculino. Em 1962, o seu adversário Benny "Kid" Paret sussurra-lhe insultos homofóbicos. Emile Griffith põe-no em coma e ele morre pouco depois. A culpa assombrou-o para o resto da sua vida.

Euronews
Cena de boxe em "Champion"Euronews

Movimento e música entrelaçam-se

Para musicar esta história emocionante, o compositor funde diferentes géneros musicais - desde o gospel e o calipso até à ópera tradicional, ao samba e ao jazz.

A improvisação é um elemento-chave nesta ópera.

"Penso que o desafio aqui é algo que resulta do facto de não estarmos habituados a ter um quarteto de jazz no fosso, mas temos esta bateria de uma forma que, assim que começamos o número, o baterista torna-se uma espécie de maestro", disse o maestro Kensho Watanabe.

Euronews
Kensho Watanabe, maestroEuronews

"Há uma interação maravilhosa que posso ter com o baterista para negociar um pouco os tempos", acrescentou.

"Sendo um músico de jazz, nunca toquei a mesma música da mesma forma. Não é isso que fazemos", disse Terence Blanchard. "Por isso, dou-lhes muita liberdade porque se trata de se exprimirem e de encontrarem a vibração que melhor conta a história naquele momento."

Os enormes números de dança dão um sabor especial a esta ópera inovadora. Mas representam outro desafio para o elenco, que é posto à prova numa aula de movimento.

"Estava muito entusiasmada por trabalhar com os atores nos seus diferentes movimentos e estava muito inspirada pelo ritmo que Terence compôs", admitiu a coreógrafa Camille A. Brown.

"Queria fazer algo que incorporasse movimentos de boxe e aquecimento, mas que tivesse um ritmo. Por isso, fizemos flexões, demos murros, um pouco de tudo."

"Estou a aperceber-me de que não sou apenas um cantor de ópera, mas tenho o coração de um bailarino", disse Ryan Speedo Green à Musica. "Sinto que estou realmente a trilhar novos caminhos como artista, entrando no meu corpo. Este espetáculo, especificamente 'Champion', mostra que nós, enquanto cantores de ópera, temos mais do que apenas vozes."

Euronews
Poster de "Champion" na Metropolitan OperaEuronews

Direção de cena: A arte de manter a cabeça fria

Enquanto os ensaios estão em pleno andamento, são dados os últimos retoques nos figurinos. Mas as tensões estão a aumentar e tudo acontece sob o olhar atento das diretoras de cena, que coordenam um enorme grupo de pessoas.

"É preciso ter calma. É preciso ser capaz de lidar com crises e manter toda a gente calma", diz Christy Langan, que, juntamente com a sua colega Yasmine Kiss, trabalha como diretora de cena.

"A Yasmine está lá fora a dar sinal para tudo o que funciona com carris, tudo o que voa, os sinais, a automação, tudo o que se move. Para o processo artístico, ela está lá fora com o diretor na casa", explica Langan. "Eu estou no palco a comunicar com ela e certifico-me de que todas as pessoas estão lá, todas as mudanças de roupa, todos os adereços estão prontos. Portanto, entre nós as duas, gerimos tudo."

"Para mim, o maior desafio é o facto de ser uma ópera completamente nova. E temos um compositor vivo que está sentado a dois lugares de mim na casa", disse à Musica a colega diretora de cena Yasmin Kiss.

Euronews
Christy Langan e Yasmine Kiss, diretoras de cenaEuronews

"Por isso, musicalmente, é necessário um pouco mais de esforço para conhecer a peça e compreender a linguagem musical, porque a linguagem musical moderna pode ser muito diferente de fazer um Mozart histórico ou algo do género", acrescenta.

Mudar o rosto da ópera

Finalmente, é a noite de estreia e a magia acontece. A cortina sobe para quase 4 mil pessoas que assistem a esta nova produção de "Champion".

Esta obra também faz parte da visão da Met para o futuro. A companhia está a tentar mudar a face da ópera com novas obras acessíveis e histórias com as quais as pessoas se possam identificar.

"O objetivo é trazer as pessoas para a sala, para que possam experimentar a ópera", explicou o compositor Terence Blanchard. "Houve um senhor que me disse: 'Meu, se isto é ópera, eu vou'. E isso surpreendeu-me porque, basicamente, ele estava a dizer-me que se tinha visto em palco. Viu uma história que conhecia, algo que pode relacionar com a sua vida."

"Poderíamos certamente envidar esforços para tornar a ópera mais acessível e mais relevante para um público mais vasto e mais jovem, e temos de o fazer", afirmou Peter Gelb. "E é também por isso que vamos apresentar, ao longo das próximas cinco temporadas, 17 estreias na Met, o que constitui um número sem paralelo de novos trabalhos, provavelmente em toda a história da Metropolitan Opera, em todos os seus 140 anos."

"Com esta ópera, 'Champion', tenho a oportunidade de quebrar os preconceitos dos espetadores de ópera. Quando os fãs da ópera vêm ver o espetáculo, vão experimentar e ver coisas que normalmente não veem", conclui Ryan Speedo Green.

Nome do jornalista • Ricardo Figueira

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Ópera sobre a vida do pugilista Emile Griffith no MET de Nova Iorque

A próxima geração de estrelas da ópera no Opera Studio de Zurique

"É sempre importante ultrapassar os limites": A viagem de "tirar o fôlego" de Sonya Yoncheva