Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Crescimento também acarreta riscos, diz economista-chefe do FMI

Crescimento também acarreta riscos, diz economista-chefe do FMI
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A capital belga acolheu esta semana a décima-nona edição do Fórum Económico de Bruxelas.

Organizado pela Comissão Europeia, o encontro anual promove o debate em torno de temas como o crescimento europeu e assim como uma nova agenda económica para o continente.

À margem do encontro, a nova economista-chefe do Fundo Monetário Internacional falou à euronews.

Gita Gopinath afirma que o crescimento também acarreta riscos.

"Os bancos centrais de todo o mundo estão abertos ao crescimento e esperamos que isso venha a continuar. Por outro lado, o crescimento está a abrandar e isso significa que existem limites para o que a política monetária pode conseguir. Nesses casos, o crescimento torna-se num risco real e eu penso que isso vai refletir-se nos mercados financeiros", afirma.

Particularmente exposto ao atual conflito comercial entre os dois gigantes da economia mundial está o sector automóvel europeu.

"Se as tensões comerciais se alastrarem para a União Europeia e em particular para o setor automóvel as consequências podem ser ainda maiores do que as tensões com a China porque a indústria automóvel tem uma enorme cadeia global de fornecimento que inclui muitos mais países, por isso os efeitos podem ser significativos", adianta a alta funcionária do FMI.

Para além das tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos, o impacto de novas tecnologias como é o caso da Inteligência Artificial conta-se entre os principais riscos atuais, segundo a economista.

"As tensões comerciais são muito importantes mas também estamos preocupados com as tensões originadas pela tecnologia. É a combinação entre estes fatores que classificamos como um dos principais riscos", afirma.

O evento deste ano debateu ainda temas como o lugar da União Europeia na ordem global assim como a importância de construir sociedades mais inclusivas.