Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Comissão Europeia não é "estúpida" na política de concorrência

Comissão Europeia não é "estúpida" na política de concorrência
Direitos de autor
REUTERS/Francois Lenoir
Tamanho do texto Aa Aa

Na véspera da esperada rejeição da fusão entre a alemã Siemens e a francesa Alstom para o setor ferroviário, o presidente da Comissão Europeia rejeitou críticas de que é uma força de bloqueio no esforço europeu para enfrentar gigantes económicos como a China.

Jean-Claude Juncker defendeu o seu executivo durante uma reunião com industriais, terça-feira, em Bruxelas: "Nos quase 30 anos desde que as primeiras regras europeias sobre fusões de empresas entraram em vigor, aprovamos mais de seis mil operações e bloqueamos menos de 30".

"Esta é a mensagem que envio àqueles que dizem que a Comissão Europeia é composta de tecnocratas cegos, estúpidos e teimosos", acrescentou Juncker.

A decisão de Bruxelas sobre o negócio germano-francês poderá ser anunciada na quarta-feira, segundo a agência de notícias Reuters.

Durante a divulgação dos resultados trimestrais, há menos de uma semana, o diretor-geral da Siemens, Joe Kaeser, disse que não iria lutar por uma fusão a qualquer preço

"Não nos sentimos sombrios, não estamos amargos, nem zangados. Se funcionar, será bom para a Europa, para a Siemens, para a Alstom e para os clientes. Se não, continuaremos liderando o setor da mobilidade como antes", referiu Joe Kaeser.

O argumento das empresas - bem como dos governos alemão e francês - é que criar uma maior potência ferroviária europeia permitiria defender o mercado europeu à escala global, nomeadamente contra a empresa estatal chinesa CRRC, líder mundial.

A fusão também colocaria os europeus à frente da empresa canadiana Bombardier.

A comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, tem dito que a Siemens e a Alstom não necessitam de se fundir para poderem competir à escala global.